app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Economia

Com�rcio fecha 2003 com queda nas vendas

Rio – A queda da renda e o desemprego elevado no país deprimiram as vendas no comércio varejista pelo terceiro ano consecutivo. A retração foi de 3,68%, a maior desde o início da pesquisa em 2001, quando atingiu 1,57% e em 2002, a queda foi de 0,69%. N

Por | Edição do dia 13/02/2004 - Matéria atualizada em 13/02/2004 às 00h00

Rio – A queda da renda e o desemprego elevado no país deprimiram as vendas no comércio varejista pelo terceiro ano consecutivo. A retração foi de 3,68%, a maior desde o início da pesquisa em 2001, quando atingiu 1,57% e em 2002, a queda foi de 0,69%. No entanto, a receita nominal se manteve positiva, com um crescimento de 13,40%, em relação ao ano anterior de 7,34%. Para o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o aumento reflete a tentativa do varejista de recompor a margem de lucro nas vendas. Os mais castigados O setor de supermercados foi o mais castigado no ano passado, com redução nas vendas de 4,87%. O segmento de combustíveis e lubrificantes também teve uma retração de 4,29% em 2003 e o grupo tecidos, vestuários e calçados caiu 3,08%. Em dezembro, o comércio teve uma recuperação de 3,20% nas vendas depois de 12 meses de queda. A receita nominal subiu 10,82%, em relação a dezembro de 2002. A última vez em que o comércio fechou um mês no azul foi em novembro de 2002, quando houve um ligeiro aumento, de 0,02%, nas vendas. Em 2003, o pior resultado foi registrado em março, quando as vendas tiveram queda de 11,35%. O setor de híper e supermercados teve uma recuperação de 1,80% e o de móveis e eletrodomésticos cresceu 20,89% em dezembro de 2003. Segundo o IBGE, o resultado se deve a uma melhora do quadro econômico a partir do segundo semestre e à recuperação da renda do trabalhador, já levando em conta o efeito sazonal de empregos temporários. “No entanto, a queda dos juros estimulou o consumo da classe média”, disse o responsável pela pesquisa de Comércio Varejista, Nilo Lopes. Para o técnico, o fator expectativa, que contribuiu para os resultados favoráveis do fim do ano passado, deverá voltar a ajudar na recuperação do varejo no primeiro trimestre deste ano. Em dezembro de 2003, o Rio teve o pior desempenho no varejo, com queda nas vendas de 0,88%, seguido por Pernambuco, com 3,37%. Já São Paulo teve um crescimento de 1,97%.

Mais matérias
desta edição