app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Economia O valor da produção da cana-de-açúcar registrou queda de 9,9% no ano passado, diz IBGE

VALOR DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA DE ALAGOAS ATINGE R$ 2,45 BILHÕES

Com o crescimento de 15,7%, é o maior valor registrado no Estado desde 1974, ano em que o IBGE iniciou o levantamento da produção

Por Carlos Nealdo com Agência Brasil | Edição do dia 23/09/2021 - Matéria atualizada em 22/09/2021 às 19h21

O valor da produção agrícola de Alagoas bateu recorde e atingiu R$ 2,45 bilhões em 2020, um crescimento de 15,7% em relação ao ano anterior, de acordo com a Produção Agrícola Municipal (PAM) divulgada nesta quarta-feira (22), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. É o maior valor registrado no Estado desde 1974, ano em que o IBGE iniciou esse tipo de levantamento. De acordo com a pesquisa, o resultado recorde se deve à produção de mandioca, que registrou crescimento no valor da produção de 12,7%, atingindo R$ 309 milhões. Além dela, outro destaque foi o valor alcançado pela produção de banana, que registrou avanço de 9,65% no ano passado, na comparação com 2019. Em números absolutos, o valor saltou de R$ 156,5 milhões para R$ 236,7 milhões. Responsável pela maior fatia do valor total da produção agrícola de Alagoas, a cana-de-açúcar registrou queda de 9,9%, passando de R$ 1,235 bilhão de valor da produção em 2019, para R$ 1,112 bi em 2020. “No ano passado, o primeiro da pandemia, o estado alagoano produziu 15,293 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, a menor safra dos últimos anos”, informa o IBGE, por meio de assessoria. O órgão lembra que após a safra de 20,7 milhões de toneladas em 2015, Alagoas registrou três quedas consecutivas, com uma produção de 18,701 milhões de toneladas no ano seguinte, 17,5 milhões em 2017 e 16,7 milhões em 2018. Em 2019, houve aumento de 11,7% na produção, que atingiu 18,702 milhões de toneladas. Em todo o País, o valor da produção agrícola em 2020 também bateu recorde e atingiu R$ 470,5 bilhões, 30,4% a mais do que em 2019. A produção agrícola nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas chegou, no ano passado, a 255,4 milhões de toneladas, 5% maior que a de 2019, e a área plantada totalizou 83,4 milhões de hectares, 2,7% superior à de 2019. “Com a valorização do dólar frente ao real, houve também um crescimento na demanda externa desses produtos, o que causou impacto direto nos preços das principais commodities, que apresentaram significativo aumento ao longo do ano. Como resultado, os dez principais produtos agrícolas, em 2020, apresentaram expressivo crescimento no valor de produção, na comparação com o ano anterior”, explicou o IBGE. A cultura agrícola que mais contribuiu para a safra 2020 foi a soja, principal produto da pauta de exportação nacional, com produção de 121,8 milhões de toneladas, gerando R$ 169,1 bilhões, 35% acima do valor de produção desta cultura em 2019. Em segundo lugar no ranking de valor, veio o milho, cujo valor de produção chegou a R$ 73,949 bilhões, com alta de 55,4% ante 2019. Pela primeira vez desde 2008, o valor de produção do milho superou o da cana-de-açúcar (R$ 60,8 bilhões), que caiu para a terceira posição. A produção de milho cresceu 2,8%, atingindo novo recorde: 104 milhões de toneladas. O café foi o quarto produto em valor de produção, atingindo R$ 27,3 bilhões, uma alta de 54,4% frente ao valor de 2019. Já a produção de café chegou a 3,7 milhões de toneladas, com alta de 22,9% em relação ao ano anterior, mantendo o Brasil como maior produtor mundial.

No ano passado, Mato Grosso foi o maior produtor de cereais, leguminosas e oleaginosas do país, seguido pelo Paraná, por Goiás e o Rio Grande do Sul. Em relação ao valor da produção, Mato Grosso, destaque nacional na produção de soja, milho e algodão, continua na primeira posição no ranking, aumentando sua participação nacional para 16,8%, novamente à frente de São Paulo, destaque no cultivo da cana-de-açúcar. O Paraná, maior produtor nacional de trigo e segundo de soja e milho, ocupou, em 2020, a terceira posição em valor de produção, à frente de Minas Gerais, destaque na produção de café. “O Rio Grande do Sul, que teve a produtividade de boa parte das culturas de verão afetadas pela estiagem prolongada no início de 2020, apresentou retração de 6,9% no valor de produção agrícola, caindo para a quinta posição no ranking, com participação nacional de 8,1%”, informou o IBGE, Os 50 municípios com os maiores valores de produção agrícola do país concentram 22,7% (ou R$ 106,9 bilhões) do valor total da produção agrícola nacional. Desses 50 municípios, 20 eram de Mato Grosso, seis da Bahia e seis de Mato Grosso do Sul. Sorriso (MT) manteve a liderança entre os municípios com maior valor de produção: R$ 5,3 bilhões, ou 1,1% do valor de produção agrícola do país. Em seguida, vieram São Desidério (BA), com R$ 4,6 bilhões, e Sapezal (MT) com R$ 4,3 bilhões.

Mais matérias
desta edição