app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Economia Alguns turistas ficaram surpresos com o aumento do preço do passeio de jangada

JANGADEIROS ALAGOANOS COMEMORAM ‘INVASÃO’ DE TURISTAS A MACEIÓ

Cenário da pandemia no início de 2022 favoreceu cadeia da indústria do turismo, que está com hotéis, pousadas e cidades lotados

Por Arnaldo Ferreira | Edição do dia 15/01/2022 - Matéria atualizada em 14/01/2022 às 19h01

O mês de dezembro superou as expectativas dos segmentos do turismo e especialmente dos 250 jangadeiros que fazem passeios das piscinas naturais da Pajuçara, em Maceió. “Os turistas voltaram!”, comemora o jangadeiro Onaldo de Oliveira, 63 anos, depois de dois anos sem trabalhar. Para manter o negócio aquecido, os profissionais cumprem à risca os protocolos sanitários. “O turista só sobe na jangada de máscara e a gente oferece o álcool em gel. Lá, nas piscinas, eles podem tirar a máscara”, explica outro jangadeiro, Nivaldo dos Santos. A secretária Municipal de Turismo, Patrícia Mourão, confirma o aquecimento do turismo na capital e faz projeção de alta temporada satisfatória até março. Ela atribui a opção dos turistas por Maceió ao trabalho integrado do prefeito JHC (PSB), que colocou a capital entre os de melhor desempenho na Campanha Nacional de Vacinação. Segundo a secretária, além dos jangadeiros, a maioria dos segmentos comemora a volta dos turistas. Os jangadeiros amargaram dois anos de prejuízos por causa da pandemia. Os informais e os pescadores ficaram sem ajuda social da prefeitura e do governo estadual. Sem alternativa, a maioria voltou a trabalhar com a atividade pesqueira para garantir o sustento da família. “Agora tudo indica que até março o turismo vai bombar”, acreditam os jangadeiros José Inaldo e Carlos dos Santos. Nos hotéis o movimento é considerado surpreendente e os voos chegam lotados. A frustração dos segmentos foi a suspensão da circulação no País, conforme determinou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), dos navios de cruzeiros até o dia 4 de fevereiro por causa do aumento no número de casos da Covid-19 e da Influenza. Cada cruzeiro traz mais de dois mil turistas que aquecem a economia das cidades. Mesmo assim, semanalmente chegam turistas de avião, ônibus e carros particulares. Os empresários Antônio Guerra e Ana Carolina Moraes vieram do Mato Grosso, pretendiam ficar apenas uma semana em Alagoas e seguiriam para Salvador. Depois do passeio de jangada, decidiram prolongar a estada em Maceió. “As praias do Francês, Maragogi e o passeio de jangada até a piscina da Pajuçara fazem a gente esquecer este momento triste da pandemia do coronavírus e da Influenza. A gente tem a sensação de que está no Paraíso”, disse o empresário. “O uso de máscara é obrigatório em todos os lugares”, afirmou o casal.

PREÇO

Alguns turistas ficaram surpresos com o aumento do preço do passeio de jangada até a piscina natural. Até 2019 o valor por pessoa era R$ 25 a R$ 35. Visitantes que estiveram em Maceió em anos anteriores estranharam o aumento para R$ 50. Porém, o preço voltou a subir na quinta-feira (13) [data do aumento dos combustíveis] e agora o preço individual do passeio até a piscina natural é R$ 65 “A jangada é movida a vento, por que aumentou o preço do passeio até a piscina natural?” perguntou um dos turistas que não quis se identificar. A presidente da Colônia dos Pescadores Z1, Maria Aparecida da Silva, informou que a Prefeitura de Maceió e a colônia estão fazendo o ordenamento da atividade.“Foi instalado um ponto de venda de passagem, há funcionários para atender a demanda. Cada turista agora terá seguro em caso de acidente. A fiscalização será mais rigorosa e todos os equipamentos de segurança, salvatagem, estão garantidos”, explicou. Cada jangada tem lotação máxima de seis pessoas e só parte para o passeio com a lotação completa. Atualmente, 180 jangadas fazem o trajeto até a piscina natural. Elas garantem cerca de 400 empregos diretos e indiretos, disse a líder dos 1,6 mil pescadores e 250 jangadeiros da Pajuçara.

Mais matérias
desta edição