app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5713
Economia

BC argentino decreta novo feriado banc�rio

Buenos Aires – Pressionado pelas instituições financeiras, o  Banco Central argentino decretou feriado bancário e cambial por tempo indeterminado a partir de segunda-feira, dia 22 deste mês. Os bancos pediam, desde ontem, que o BC argentino tomasse uma at

Por | Edição do dia 20/04/2002 - Matéria atualizada em 20/04/2002 às 00h00

Buenos Aires – Pressionado pelas instituições financeiras, o  Banco Central argentino decretou feriado bancário e cambial por tempo indeterminado a partir de segunda-feira, dia 22 deste mês. Os bancos pediam, desde ontem, que o BC argentino tomasse uma atitude mais drástica para conter a sangria de recursos dos depósitos bancários por meio de decisões judiciais. O feriado vai vigorar até que o governo tenha definido e transforme em lei o novo plano que prevê a troca obrigatória dos depósitos a prazo fixo presos pelo curralzinho por títulos públicos. A disparada do dólar nos últimos dias também pesou na decisão do BC argentino. A moeda dos Estados Unidos subiu mais 5% hoje e fechou vendida a 3,28 pesos. Na semana, o dólar acumulou alta 9,7%. A suspensão das atividades do banco Scotiabank Quilmes por 30 dias, ontem, por problemas de liquidez, explicitou a fragilidade das instituições financeiras que operam na Argentina atualmente. Somente nesta semana, estima-se que cerca de 1 bilhão de pesos saíram dos bancos amparados por decisões judiciais. A equipe econômica pretende definir os detalhes do plano para deter a saída de recursos dos bancos no fim de semana e enviar o projeto para ser votado pelo Congresso ainda na segunda-feira. A medida pode ser anunciada neste fim de semana. O governo deve oferecer aos poupadores dois tipos de títulos - um em pesos, com prazo de cinco anos, e outro em dólares, com prazo de dez anos. Há nos bancos aproximadamente 30 bilhões de pesos em depósitos a prazo fixo que devem ser trocados por títulos. Quem tem caderneta de poupança ou conta corrente ficará livre da troca, segundo Eduardo Amadeo, porta-voz da Presidência.

Mais matérias
desta edição