app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Economia Dos produtos pesquisados, os que mais chamam a atenção são os itens de perfumaria

Pesquisa do Procon aponta aumento de até 110% em eletrônicos

O levantamento do órgão de defesa do consumidor foi feito em 24 lojas, com base em 70 produtos mais procurados nesta época do ano

Por ANNA CLÁUDIA ALMEIDA | Edição do dia 08/12/2022 - Matéria atualizada em 08/12/2022 às 04h00

Uma pesquisa do Procon Maceió de preços de presentes de Natal, divulgada nesta quarta-feira (7), aponta que alguns aparelhos eletrônicos tiveram aumento de até 110% em relação ao ano passado. O levantamento do órgão foi feito com base nos produtos mais procurados nesta época do ano. Um total de 70 produtos foram pesquisados em 24 lojas, sendo estabelecimentos físicos e online. A pesquisa contempla itens desde acessórios e moda a chocolates, eletrônicos, brinquedos, dentre outros. Dos produtos pesquisados, os que mais chamam a atenção são os itens de perfumaria que tiveram aumento de até 66%. Há itens de acessórios e vestuários variando os valores entre R$ 15,90 à R$ 1.899,00. Já os brinquedos variam os preço de R$ 2,49,00 a R$ 2.213,00. “É sempre importante ressaltar que o consumidor deve pesquisar o preço de um produto antes de efetuar a compra para economizar mais e evitar gastos excessivos que podem afetar sua renda mensal”, destaca o diretor-executivo do Procon Maceió, Leandro Almeida. Em caso de dúvidas sobre direitos, o consumidor pode entrar em contato com o Procon Maceió pelo telefone 0800 082 4567 ou (82) 98882-8326.

Pesquisa

Pesquisa da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que 35,7% das pessoas que receberam o décimo terceiro salário pretendem usar o dinheiro para compras de Natal, índice superior a 2021, quando foi de 33,1%. Já a proporção de entrevistados que devem economizar, poupar e investir caiu de 34,2%, no ano passado, para 28,7% em 2022. Ainda segundo o levantamento, 21,9% querem gastar nas comemorações de Natal e Ano Novo; 21,1% devem comprar produtos que têm vontade; e 16,6% vão quitar dívidas em atraso. Além disso, 15,3% devem destinar os recursos para compras do dia a dia, como mantimentos para a casa; 14,9% devem pagar contas básicas, como energia e água; 13,2% vão quitar impostos e tributos do início de 2023; 12,5% vão antecipar o pagamento de contas que ainda vão vencer; e 9,2% querem viajar. Apesar da prioridade dos brasileiros para as compras, o presidente da CNDL, José César da Costa, destaca que o consumidor precisa ser consciente sobre suas necessidades. “É importante o trabalhador ficar atento aos gastos e priorizar o pagamento de dívidas. O país vive um momento de alta inadimplência e a entrada do 13º salário é a oportunidade de colocar as contas em dia e fechar o ano com o orçamento organizado”, aponta. A pesquisa da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas ouviu consumidores das 27 capitais brasileiras, sendo que 53,2% vão receber o 13º salário, com preponderância de integrantes das classes A e B e de pessoas acima de 55 anos. Entre os homens, o índice chega a 57,9%, já entre as mulheres, 48,9%. No quesito idade, 44,9% das pessoas entre 18 e 34 anos disseram que vão receber o benefício; além de 52,1% das pessoas entre 35 e 54 anos; e 69,1% daqueles com 55 anos ou mais.

faixas

O 13º salário será pago a 63,9% daqueles que compõem as classes A e B e a 49,5% dos membros das classes C, D e E. A pesquisa também mostra que 54,9% dos entrevistados pretendem fazer ‘bicos’ para aumentar a renda e poder comprar mais presentes de Natal ou itens melhores, especialmente os que compõem as classes C, D e E e os jovens. O presidente da CNDL defende que é o momento para planejar os gastos extras de 2023. “O início do ano é sempre o momento de pagamento de impostos e de taxas, como matrícula, e também compra de material escolar, por exemplo. Uma reserva extra deve ser organizada para não ser pego de surpresa e já iniciar o ano endividado”, ressalta. As informações são da CNN.

Mais matérias
desta edição