app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Economia

custo da construção civil de Al tem a maior queda do País

.

Por Carlos Nealdo | Edição do dia 10/12/2022 - Matéria atualizada em 10/12/2022 às 04h00

Os custos da construção civil de Alagoas registraram uma retração de 0,23% em novembro, na comparação com o mês anterior, segundo levantamento divulgado nesta sexta-feira (9), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Trata-se maior queda do País, segundo dados do órgão. De acordo com o levantamento, sete das 27 unidades da federação apresentaram retração no mês passado. Além de Alagoas, os destaques foram Piauí, com queda de 0,22%, Bahia (-0,20%), Tocantins (-0,17%), Rio de Janeiro (-0,11%), Minas Gerais (-,09%) e Rio Grande do Norte ( No ano, o índice da construção civil de Alagoas registra uma alta de 9,11% - também o menor percentual do País, segundo o IBGE. Na média nacional, o índice atingiu 10,81% no acumulado do ano. O levantamento do IBGE revela ainda que o metro quadrado para construção em Alagoas atingiu R$ 1.506,59 - o segundo menor valor do País, atrás apenas de Sergipe, que registrou o menor custo entre as 27 unidades da federação, com R$ 1.472,26. Em todo o País, o Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi) subiu 0,15% em novembro, mas desacelerou 0,23 ponto percentual em relação à taxa de outubro (0,38%). Foi o menor resultado desde julho de 2020. No acumulado em 12 meses, a taxa é de 11,38%, abaixo dos 12,41% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. O acumulado no ano fechou em 10,81%. Em novembro de 2021, o índice foi 1,07%. Segundo o gerente da Sinapi, Augusto Oliveira, a pesquisa aponta variações mensais dos custos da construção civil em um patamar mais próximo ao do período pré-pandemia e uma desaceleração que pode ser observada nas quedas contínuas nos indicadores dos acumulados nos 12 meses.

“Os custos estão chegando a uma normalidade, sem a influência de um período de pandemia, com as variações dos preços mais comportados, acompanhando os movimentos do mercado da construção civil”, diz Oliveira. “Em 2022, os índices que tiveram forte alta em 2021 vêm sendo substituídos por taxas menores, reduzindo sucessivamente os índices acumulados em 12 meses, resultando numa queda neste indicador de 3,15 pontos percentuais desde junho. Os índices caíram de 14,53% em junho para 14,07% em julho, 13,61% em agosto, 13,11% em setembro, 12,41% em outubro, e agora, em novembro, caíram ainda mais para 11,38%”, analisa. O custo nacional da construção por metro quadrado, que em outubro fechou em R$ 1.675,46, passou em novembro para R$ 1.677,96, sendo R$ 1.000,47 relativos aos materiais, e R$ 677,49 à mão de obra. O gerente do Sinapi destaca que os materiais, que puxaram as altas nos anos em 2020 e 2021, são os que mais têm contribuído para a desaceleração em 2022. A parcela dos materiais foi de 0,01%, mantendo o patamar do mês anterior (0,04%) e o movimento de retração dos últimos meses. A taxa de novembro no setor de materiais de construção foi a menor desde janeiro de 2020. Em relação a novembro de 2021 (1,66%), houve queda de 1,65 ponto percentual. Já a parcela da mão de obra foi de 0,35%, com apenas um reajuste observado, caindo 0,53 ponto percentual em relação ao mês anterior (0,88%). Houve um aumento de 0,17 ponto percentual frente a novembro do ano anterior (0,18%).

Mais matérias
desta edição