app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Economia

Desemprego fecha 2004 com a menor taxa em tr�s anos

A taxa de desemprego nas seis maiores regiões metropolitanas do país recuou em dezembro e fechou 2004 abaixo dos dois dígitos, em 9,6%. Esse é o menor resultado desde o início da série histórica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), i

Por | Edição do dia 26/01/2005 - Matéria atualizada em 26/01/2005 às 00h00

A taxa de desemprego nas seis maiores regiões metropolitanas do país recuou em dezembro e fechou 2004 abaixo dos dois dígitos, em 9,6%. Esse é o menor resultado desde o início da série histórica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), iniciada em outubro de 2001. O número representa uma queda de 1 ponto percentual em relação aos 10,6% registrados em novembro e de 1,3 ponto na comparação com dezembro de 2003. No ano, a taxa média de desemprego ficou em 11,5%. O resultado é menor que os 12,3% registrados em 2003. O desempenho de dezembro traz alívio à equipe econômica do governo, que havia prometido que a taxa atingiria o resultado de apenas um dígito nesse mês. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro da Casa Civil, José Dirceu, haviam afirmado que o desemprego caminhava para menos de 10%. Na análise por região pesquisada, São Paulo teve a maior queda no percentual de desocupados e passou de 14,1% em 2003 para 12,6% em 2004. No Rio de Janeiro, o número ficou praticamente estável, e passou de 9,2% em 2003 para 9% em 2004. Apesar da melhora, a renda real do trabalhador não acompanhou esse movimento e caiu 1,8% em relação a novembro. Na comparação com dezembro de 2003, entretanto, teve alta de 1,9%. A renda média do trabalhador no ano de 2004 caiu 0,8% em relação a 2003. O valor médio passou de R$ 914,74 em 2003 para R$ 907,84 em 2004. Em 2002, o valor médio era estimado em R$ 1.048,85. Mesmo com a queda no desemprego, o total de pessoas que procuram trabalho no país ainda é alto e chega a 2,1 milhões. Durante o ano passado, houve uma redução de 232 mil no número de pessoas desocupadas.

Mais matérias
desta edição