app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5756
Economia

Vasp perde concess�o para explorar 8 linhas comerciais

O Departamento de Aviação Civil (DAC) determinou ontem a cassação das oito linhas que a Vasp ainda operava regularmente. A partir de hoje, a Vasp está proibida de operar vôos regulares. A empresa não perdeu a concessão definitiva para operar vôos regulare

Por | Edição do dia 27/01/2005 - Matéria atualizada em 27/01/2005 às 00h00

O Departamento de Aviação Civil (DAC) determinou ontem a cassação das oito linhas que a Vasp ainda operava regularmente. A partir de hoje, a Vasp está proibida de operar vôos regulares. A empresa não perdeu a concessão definitiva para operar vôos regulares, mas entrou numa contagem regressiva para regularizar a sua situação. Por lei, ela teria direito a 180 dias para ajustar as contas e provar que tem condições de operar estes vôos. No entanto, como a licença da empresa para realizar vôos regulares vence em abril, ela deverá provar ao DAC que tem condições de realizar estes vôos antes mesmo do prazo legal. As oito linhas atendem a localidades como Salvador, Manaus, Fortaleza, Recife e Maceió. Segundo o diretor-geral do DAC, Jorge Godinho, já existe demanda de outras empresas para operar estas linhas. Um eventual fechamento da Vasp, que enfrenta a pior crise financeira da sua história, não afetará o mercado de aviação no País. Essa é a avaliação do ministro do Turismo, Walfrido dos Mares Guia, que está reunido esta manhã com o ministro da Defesa, José Alencar. “Se a Vasp tiver de fechar amanhã por alguma razão, as empresas existentes suprem a necessidade dela em 24 horas”, disse Mares Guia antes de se reunir com Alencar. Mares Guia também voltou a defender uma possível intervenção do governo na Vasp, que desde o fim de semana vem cancelando inúmeros vôos pelo País. “Sou favorável a que o governo aplique a lei com rigor absoluto porque o Código de Defesa do Consumidor garante aquilo que ele pagou e a compra da passagem é um contrato.” No entanto, o ministro também cogitou a possibilidade de transformação da Vasp em empresa de fretamento.

Mais matérias
desta edição