app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5756
Economia

D�lar tem menor cota��o desde junho de 2002

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em baixa de 0,26% ontem, com o Índice Bovespa em 23.968 pontos. Mesmo com o resultado negativo nos dois últimos pregões, a bolsa encerrou a semana com leve alta, de 0,6%. No acumulado do mês, há perda de 8,

Por | Edição do dia 29/01/2005 - Matéria atualizada em 29/01/2005 às 00h00

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em baixa de 0,26% ontem, com o Índice Bovespa em 23.968 pontos. Mesmo com o resultado negativo nos dois últimos pregões, a bolsa encerrou a semana com leve alta, de 0,6%. No acumulado do mês, há perda de 8,5%, que deve levar a bolsa ao pior lugar no ranking de aplicações de janeiro. O dólar à vista caiu 0,71% e voltou a fechar com a menor cotação desde junho de 2002, a R$ 2,645 na compra e R$ 2,647 na venda. Entre os fatores que levaram à queda do dólar estiveram a desaceleração da economia americana, o fluxo positivo e a pressão dos investidores ‘’vendidos’’ do mercado futuro de câmbio. O Produto Interno Bruto (PIB) americano subiu 3,1% no quarto trimestre de 2004, contra expectativa de 3,5%. O menor ritmo de crescimento da economia americana reduziu os temores de alta de juros naquele país, que poderiam gerar migração de recursos hoje aplicados em países emergentes. Aproveitando o fluxo positivo e a cotação em baixa, o Banco Central entrou comprando dólares ainda no período da manhã, por R$ 2,660. A cotação cedeu ainda mais depois do leilão e contou com reforço extra dos investidores ‘’vendidos’’ do mercado futuro, que apostam na queda da cotação. “O mercado está bastante repetitivo, com os investidores sempre repercutindo índices e atas, e com as intervenções diárias do Banco Central. Para a próxima semana, as atenções estarão voltadas à reunião do Federal Reserve, que poderá elevar os juros americanos em 0,25 ponto percentual”, disse Hideaki Iha, operador da corretora Souza Barros. O mercado futuro de juros continuou a ajustar suas projeções para cima, apostando em novas altas da taxa Selic nos próximos meses.

Mais matérias
desta edição