app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5749
Economia

Exporta��es nordestinas tiveram crescimento de 31,6% em 2004

RAQUEL RIBEIRO ALVES (AGÊNCIA NORDESTE) Brasília – As exportações de produtos nordestinos cresceram  31,6% em 2004. Os nove estados  da região garantiram o embarque de US$ 8,037 bilhões ao exterior, volume de vendas que assegurou também o saldo positivo

Por | Edição do dia 30/01/2005 - Matéria atualizada em 30/01/2005 às 00h00

RAQUEL RIBEIRO ALVES (AGÊNCIA NORDESTE) Brasília – As exportações de produtos nordestinos cresceram  31,6% em 2004. Os nove estados  da região garantiram o embarque de US$ 8,037 bilhões ao exterior, volume de vendas que assegurou também o saldo positivo da balança comercial do Nordeste. Descontadas todas as importações – que também cresceram 27,15% em 2004, num sinal de dinamismo da economia regional – os estados nordestinos registraram superávit de US$ 2,53 bilhões. Apesar do bom desempenho, a participação das exportações nordestinas no resultado nacional de comércio exterior ainda deixa a desejar: em 2004, as exportações do Nordeste representaram apenas 8,3% do total embarcado pelo País ao exterior. Em comparação a 2003, houve um levíssimo decréscimo na participação nordestina no saldo nacional de exportações, que foi verificado na maior parte dos estados a despeito do crescimento no volume exportado. Em 2003, o Nordeste contribuiu com 8,4% das exportações nacionais. A pequena participação nordestina no saldo nacional é explicada por razões já conhecidas: a matriz industrial brasileira está majoritariamente situada no eixo Sul-Sudeste e por isso as exportações daquelas regiões somam 79% do total do País. Somente São Paulo e Minas Gerais concentram 33,5% do total vendido pelo Brasil ao exterior. Para mudar esta realidade, no entanto, os secretários de comércio exterior da região, surpreendentemente, não apresentam uma lista de queixas contra o governo federal. Ao contrário, as preocupações estão voltadas para dois pontos: o câmbio e a realização de obras em infra-estrutura que garantam o escoamento da produção. “Um câmbio com o dólar a R$ 2,70 preocupa porque o custo para o exportador é de R$ 3 para cada US$ 1 comercializado. Aí fica caro produzir para exportar”, explica o secretário de Desenvolvimento Econômico do Rio Grande do Norte, João Maia. As exportações potiguares registraram crescimento de 85,2%, percentual fundamental para garantir o aumento de 31,6% no total exportado pela região, já que à exceção do Maranhão – que aumentou em 66,4% suas exportações – os demais estados nordestinos verificaram crescimento médio de 23% em 2004. O campeão das vendas potiguares em 2004 foi o petróleo, com 49,5% das remessas do Estado ao exterior. Em segundo lugar está o camarão produzido em cativeiro. O produto que liderava o ranking exportador no  Rio Grande do Norte até 2003  sofreu um revés significativo  com a adoção de medidas antidumping pelos Estados Unidos,  mas ainda assim garantiu o embarque de US$ 82,5 milhões ao  mercado externo.

Mais matérias
desta edição