app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5655
Economia Faturamento dos artesãos do Pontal da Barra caiu 80% com repercussão sobre a mina 18

TURISMO DE AL AMARGA PREJUÍZOS POR RISCO DE COLAPSO EM MINA

Setor sente impacto com desistência de reservas e passeios, mesmo em bairros que não estão na área de risco e até em cidades vizinhas

Por G1 | Edição do dia 07/12/2023 - Matéria atualizada em 07/12/2023 às 04h00

A possibilidade de afundamento de uma das 35 minas de extração de sal-gema da Braskem no bairro do Mutange, em Maceió, fez parte dos negócios de turismo registrar prejuízos financeiros.

No bairro do Pontal da Barra, ponto turístico que fica na outra margem da lagoa Mundaú, os artesãos amargam 80% de queda em seu faturamento.

Por medo do risco de colapso no solo, turistas têm cancelado hospedagens até em cidades vizinhas.

Com 500 mil metros cúbicos, parte da mina fica sob a lagoa e a outra parte fica sob o continente. A proximidade com a lagoa fez com que o movimento de turistas caísse drasticamente no Pontal, que sequer está na área de risco.

“Eu fico triste com isso. Em novembro e dezembro, a gente costumava vender bastante as nossas peças, agora as lojas estão vazias”, lamentou a artesã Adriana Albuquerque, que tem no turismo sua principal fonte de renda.

Mesmo com as áreas turísticas fora de risco, os artesãos do Pontal amargam grandes prejuízos desde que o alerta foi emitido para o bairro do Mutange. “Não vemos turistas nas ruas. As pessoas precisam saber que não fomos atingidos pelas tragédia que está acontecendo, venham nos visitar”, disse Valéria de Sá, presidente da Associação das Artesãs do Pontal da Barra.

Além das artesãs, quem trabalha com passeios turísticos também é impactado. Jardson Custódio conta que os passeios de catamarã pela lagoa Mundaú têm reunido cada vez menos gente e os barcos, que antes navegavam cheios, agora não atingem sequer 50% de sua capacidade.

“São grupos e grupos cancelando [os passeios], o pessoal nos hotéis também está cancelando, a gente está tendo uma grande dificuldade com toda essa repercussão”, afirmou Jardson Custódio.

A reportagem entrou em contato com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Alagoas, que informou que está fazendo o levantamento dos dados e o impacto causado ao setor. A ABIH disse ainda que está trabalhando para esclarecer aos turistas que não é preciso cancelar as viagens a Maceió.

A preocupação é grande, sobretudo, por causa da chegada da alta temporada, que deveria ser um período de maior faturamento para o setor. A secretária do Turismo de Alagoas, Bárbara Braga, ressalta que não há perigo para os bairros que estão fora da área de risco.

“Estamos prontos para receber os turistas com muito planejamento estratégico e logística do turismo. É importante passar essa tranquilidade para o nosso visitante, os laudos demonstram que não existe a possibilidade desse acontecimento impactar outras regiões”, disse a secretária Bárbara Braga.

Mas não é só Maceió que amarga prejuízos ao setor de turismo. Donos de pousadas e hotéis de cidades vizinhas, no litoral Sul, também já sentem os efeitos da repercussão do afundamento do solo na capital.

Bepe Luna tem pousada na Barra de São Miguel, um dos principais balneários do litoral Sul alagoano, e diz que muitos hóspedes desistiram de reservas desde que o alerta foi emitido.

“É um momento muito difícil que estamos enfrentado. Com todas essas notícias espalhadas, muitas pessoas de outros estados estão pensando que a praia também é uma área de risco. Teve cancelamento até para o período do carnaval. Aqui não tem o menor risco, estamos a 35 km da área afetada”, disse Bepe.

Quem mantém a viagem, afirma que consegue aproveitar a cidade com tranquilidade. “Falaram que dava para fazer o passeio tranquilo porque não seríamos afetadas em nada. O passeio foi muito bom”, disse Cássia Hidalgo, turista de São Paulo.

Mais matérias
desta edição