app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5655
Economia As exportações alagoanas movimentaram R$ 3,9 bilhões de janeiro a novembro deste ano

BALANÇA COMERCIAL DE ALAGOAS REGISTRA SUPERAVIT DE R$ 777,4 MI

O desempenho foi puxado pelas exportações, que acumulam um crescimento de 48,3% no ano

Por Carlos Nealdo | Edição do dia 07/12/2023 - Matéria atualizada em 07/12/2023 às 04h00

A balança comercial alagoana — medida pela diferença entre as exportações e importações — registrou superavit de US$ 158,5 milhões (o equivalente a R$ 777,47 milhões no câmbio atual) de janeiro a novembro deste ano, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (6), pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC).

O desempenho foi puxado pelas exportações, que acumulam um crescimento de 48,3% no período, com um montante de US$ 805,8 milhões — cerca de R$ 3,9 bilhões. Em contrapartida, as importações tiveram uma queda de 12,1%, movimentando US$ 647,3 milhões (R$ 647,3 milhões).

Em novembro, as exportações alagoanas movimentaram US$ 90 milhões, um crescimento de 16,7% na comparação com o mesmo mês do ano passado, quando os produtos enviados a outros países renderam US$ 77,1 milhões.

Já as importações somaram US$ 65,8 milhões no mês passado, ante os US$ 70,4 milhões registrados em novembro de 2022 — uma retração de 6,5%. Com isso, a balança comercial de Alagoas obteve um superavit de US$ 24,2 milhões no período.

Em todo o país, a balança comercial fechou novembro com superavit de US$ 8,776 bilhões. O resultado é o melhor para meses de novembro e representa alta de 41,5% em relação ao mesmo mês do ano passado, pelo critério da média diária.

Com o resultado de novembro, a balança comercial acumula superavit de US$ 89,285 bilhões em 2023, maior resultado para o período desde o início da série histórica, em 1989. Desde agosto, o saldo positivo acumulado supera o superavit comercial recorde de US$ 61,525 bilhões de todo o ano passado.

Em relação ao resultado mensal, as exportações ficaram estáveis, enquanto as importações despencaram em novembro. No mês passado, o Brasil vendeu US$ 27,82 bilhões para o exterior, alta de 0,6% em relação ao mesmo mês de 2022 pelo critério da média diária. As compras do exterior somaram US$ 19,044 bilhões, recuo de 11,2% pelo mesmo critério.

Do lado das exportações, a safra recorde de grãos e a recuperação do preço do minério de ferro compensaram a queda internacional no preço de algumas commodities (bens primários com cotação internacional). Do lado das importações, o recuo no preço do petróleo, de derivados e de compostos químicos foi o principal responsável pela retração.

Após baterem recorde no primeiro semestre do ano passado, após o início da guerra entre Rússia e Ucrânia, as commodities recuaram nos últimos meses. Apesar da subida do petróleo e de outros produtos em novembro, os valores continuam inferiores aos do mesmo mês do ano passado.

No mês passado, o volume de mercadorias exportadas subiu 5,1%, enquanto os preços caíram 4% em média na comparação com o mesmo mês do ano passado. Nas importações, a quantidade comprada caiu 1,8%, e os preços médios recuaram 9%.

No setor agropecuário, a safra recorde de grãos pesou mais nas exportações. O volume de mercadorias embarcadas subiu 46,6% em novembro na comparação com o mesmo mês de 2022, enquanto o preço médio caiu 15,2%. Na indústria de transformação, a quantidade subiu 5%, com o preço médio recuando 2,2%. Na indústria extrativa, que engloba a exportação de minérios e de petróleo, a quantidade exportada caiu 6,5%, enquanto os preços médios caíram 0,7%.

Os produtos com maior destaque nas exportações agropecuárias foram soja (+76%); frutas e nozes não oleaginosas (+81,6%) e animais vivos, exceto pescados ou crustáceos (+12,2%). Em valores absolutos, o destaque positivo é a soja, cujas exportações subiram US$ 1,178 bilhão em relação a novembro do ano passado. A safra recorde fez o volume de embarques de soja aumentar 105,8%, mesmo com o preço médio caindo 14,5%.

Na indústria extrativa, as principais altas foram registradas em minérios de ferro e concentrados (+27,5%) e pedra, areia e cascalho (+37,7%). No caso do ferro, a quantidade exportada aumentou 5,6%, e o preço médio subiu 20,7%, puxados principalmente pelos estímulos para a economia chinesa.

Quanto aos óleos brutos de petróleo, também classificados dentro da indústria extrativa, as exportações caíram 7,4%. Os preços médios recuaram 8,2% em relação a novembro do ano passado, enquanto a quantidade embarcada aumentou apenas 0,9%.

Na indústria de transformação, as maiores altas ocorreram em açúcares e melaços (+36,8%), farelos de soja (+15,3%) e carne bovina (+11%).

Mais matérias
desta edição