app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5716
Economia

Petrobras reduz pre�o da gasolina em 1,08%

A Petrobras anunciou uma redução de 1,08% no preço da gasolina a partir de 00h desta quarta-feira, 15, nas refinarias. Em compensação, haverá um aumento de 4,35% para o diesel. A expectativa é de que a redução da gasolina na bomba fique próxima de 0,8%,

Por | Edição do dia 14/05/2002 - Matéria atualizada em 14/05/2002 às 00h00

A Petrobras anunciou uma redução de 1,08% no preço da gasolina a partir de 00h desta quarta-feira, 15, nas refinarias. Em compensação, haverá um aumento de 4,35% para o diesel. A expectativa é de que a redução da gasolina na bomba fique próxima de 0,8%, caso os postos e distribuidoras repassem todos os benefícios para o consumidor. A redução da gasolina no Brasil acontece num momento de forte alta dos preços do petróleo no mercado internacional, por causa da crise no Oriente Médio, e da escalada do dólar no Brasil, o que sugeriria uma elevação nos preços. Ontem, por exemplo, o petróleo bateu em US$ 28,38 em Nova York, a maior cotação desde 17 de setembro, quando os preços ainda estavam pressionados pelos ataques terroristas aos Estados Unidos. A explicação da Petrobras para a queda no preço da gasolina e o aumento no preço do diesel é que o período de comparação do reajuste é diferente para cada produto. O último reajuste do diesel foi em 26 de abril e o da gasolina em 6 de abril. Além da variação cambial, a estatal utiliza os preços dos combustíveis no mercado internacional para o reajuste. A fórmula leva em conta a cotação dos últimos 15 dias comparada aos 15 dias que antecederam o último reajuste. Repasse A redução de 1,08% no preço da gasolina não deve chegar ao consumidor, segundo informações do Sincopetro, Sindicato dos Postos de São Paulo. Como a gasolina vendida na bomba tem 24% de álcool, a redução cai para 0,82%, sem contar as mudanças nas margens de lucro dos postos e distribuidoras. Outro problema é a cobrança de ICMS pelos Estados, que leva em conta um preço maior que o das bombas. Por isso, na avaliação do sindicato, o benefício pode não chegar ao consumidor, e se chegar, será muito pequeno.

Mais matérias
desta edição