app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Economia

TAM quer crescer acima do mercado

| REUTERS A TAM, maior companhia aérea do Brasil, espera registrar crescimento acima do mercado doméstico em 2006, ainda que a uma taxa inferior aos últimos anos devido ao foco em rentabilidade. Marco Antonio Bologna afirmou que a TAM espera que o tráfeg

Por | Edição do dia 18/12/2005 - Matéria atualizada em 18/12/2005 às 00h00

| REUTERS A TAM, maior companhia aérea do Brasil, espera registrar crescimento acima do mercado doméstico em 2006, ainda que a uma taxa inferior aos últimos anos devido ao foco em rentabilidade. Marco Antonio Bologna afirmou que a TAM espera que o tráfego de passageiros no país no ano que vem cresça entre 8% e 10%, provavelmente mais perto da ponta mais alta, com o fluxo internacional aumentando em cerca de 7%. O percentual é menor que a alta de 19,5% no mercado doméstico de aviação este ano e ligeiramente inferior aos 8% de crescimento médio no tráfego internacional a partir do Brasil nos últimos anos. “Acreditamos que vamos crescer mais rápido que o mercado”, disse ele em entrevista durante conferência em Miami sobre o setor aéreo na América Latina. “Queremos ampliar nossa participação de mercado, mas não no mesmo ritmo que nos últimos dois anos”. A TAM viu seu market share crescer para 43% este ano, contra 33% dois anos atrás. Nesse período, duas rivais abandonaram o mercado e a Varig, em meio à grave crise financeira, vem perdendo terreno. Ainda que alguns analistas afirmem que a TAM poderia ser beneficiada caso a Varig, que opera sob recuperação judicial, quebrasse, Bologna disse que está contando com forte competitividade no mercado brasileiro. “O cenário que trabalhamos é de três grandes companhias aéreas, com algumas pequenas crescendo”, disse. Gol A Gol vai investir US$ 19 milhões na criação de uma companhia aérea de baixo custo no México. O investimento total chega a US$ 40 milhões. A diferença será bancada pelos parceiros mexicanos da Gol no negócio. A companhia aérea brasileira assinou contrato definitivo para a formação de uma joint venture para a criação dessa companhia aérea. A Gol terá 25% do capital votante e 47,6% do capital total da holding Controladora Prosea. O restante da participação será composta por investidores mexicanos. Segundo a Gol, a holding terá o controle da nova companhia aérea, que já pediu concessão para entrar em operação para as autoridades mexicanas. A expectativa é que os procedimentos necessários para obtenção da concessão e licenças administrativas sejam concluídos “num futuro próximo”, informou a Gol. O início das operações da nova companhia está previsto para meados de 2006. A nova aérea irá operar inicialmente no mercado doméstico mexicano, nos mesmos moldes da Gol, que além do mercado doméstico brasileiro também voa para outros países da América do Sul.

Mais matérias
desta edição