app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Economia

Penhor movimenta R$ 18 milh�es

Os últimos leilões de jóias do penhor da Caixa Econômica Federal movimentaram R$ 18,1 milhões, segundo balanço divulgado ontem pela instituição. Entre os dias 2 e 16 deste mês o banco realizou leilões em oitos cidades – Rio de Janeiro, Belém, São Paulo, C

Por | Edição do dia 31/12/2005 - Matéria atualizada em 31/12/2005 às 00h00

Os últimos leilões de jóias do penhor da Caixa Econômica Federal movimentaram R$ 18,1 milhões, segundo balanço divulgado ontem pela instituição. Entre os dias 2 e 16 deste mês o banco realizou leilões em oitos cidades – Rio de Janeiro, Belém, São Paulo, Curitiba, Belo Horizonte, Natal, Fortaleza e Brasília – do país. Nos leilões foram colocados à venda cerca de 21 mil lotes de jóias, avaliados em R$ 15,4 milhões. Do total ofertado, foram arrematados 12 mil lotes, movimentando R$ 18,1 milhões. Segundo a Caixa, os leilões atraíram um público superior a 3.000 pessoas. Desse total, 800 arrematam jóias. Pesquisa feita pela instituição mostrou que 75% desse público já havia participado de leilões de jóias anteriormente. Ao contrário de quem mais penhora, no caso as mulheres (74%), os homens participaram mais dos eventos, com 61% de representação. O balanço mostra também que os valores dos lances foram variados com ofertas entre R$ 125 mil e inferiores a R$ 100. O maior de todos, no valor de R$ 125,8 mil, no leilão realizado em São Paulo, era composto por um único anel solitário de diamante, cujo valor inicial era de R$ 50 mil. Já em Brasília foi registrado o menor lance, no valor R$ 63,69. Os lotes foram vendidos com um ágio médio de 17,8% em relação ao valor de avaliação. Essa diferença será repassada aos clientes que não tinham resgatado suas jóias. Depois de sete meses, a Caixa retomou o processo de leilão do penhor no começo deste mês. Até o início de dezembro, a carteira de penhor atingiu um saldo de R$ 754 milhões, por meio de 8 milhões de novos contratos, superando em 23% o saldo de 2004. |FO

Mais matérias
desta edição