app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Economia

BNDES: fundo foi mais rent�vel de 2005

São Paulo - O Papéis Índice Brasil Bovespa (PIBB), o fundo de ações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), foi o mais rentável no ano passado, segundo a Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid). Essa aplicação rende

Por | Edição do dia 08/01/2006 - Matéria atualizada em 08/01/2006 às 00h00

São Paulo - O Papéis Índice Brasil Bovespa (PIBB), o fundo de ações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), foi o mais rentável no ano passado, segundo a Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid). Essa aplicação rendeu 37,98% em 2005. A carteira do fundo acompanha o desempenho do IBrX 50, índice que reúne as 50 ações mais líquidas da Bovespa. Outros fundos atrelados ao IBX também tiveram bom retorno no ano passado: Ações IBX Ativo com Alavancagem (35,57%), Ações IBX Indexado (34,47%) e Ações IBX Ativo (33,91%). A valorização do IBX deve-se principalmente ao bom desempenho da Bolsa paulista. O Ibovespa, que reúne as 57 ações mais negociadas, subiu 27,71% nos últimos 12 meses. Ainda dentro da Bolsa, uma boa opção para os investidores foi os fundos de ações setoriais de energia, que avançaram 34,88%. Por outro lado, as piores opções do ano foram os fundos cambiais: Cambial Euro sem Alavancagem (com rentabilidade negativa de 18,60%), Cambial Outros com Alavancagem (-17,68%) e Cambial Dólar sem Alavancagem (-10,23%). A rentabilidade negativa deve-se à valorização do real frente às principais moedas mundiais. O dólar, por exemplo, recuou 11,82% no ano passado. Agronegócio As exportações brasileiras do agronegócio bateram novo recorde, ao totalizar US$ 43,6 bilhões em 2005, com aumento de 11,8% em comparação com 2004, quando somaram US$ 39,016 bilhões. O saldo comercial do setor foi de US$ 38,4 bilhões, 12,6% superior aos US$ 34,1 bilhões registrados no ano passado. As importações tiveram uma variação anual de 6,2%, atingindo US$ 5,183 bilhões. As vendas externas da cadeia produtiva representaram 37% das exportações totais brasileiras. Os números constam da balança comercial do setor, divulgada ontem pela Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio (SRI) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). De acordo com a SRI, os grupos de produtos que mais contribuíram para o aumento das exportações foram carnes (31%), açúcar e álcool (49%), café (42%) e papel e celulose (17%). O crescimento das vendas externas desses grupos de produtos compensou as perdas do complexo soja, cujo valor exportado caiu 5,7% por causa da queda de 15% nos preços da oleaginosa e seus derivados, destacam os técnicos da SRI.

Mais matérias
desta edição