app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Economia

Meirelles defende juros atacando a China

| Cláudia Trevisan Folhapress São Paulo - O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, atacou na sexta-feira a China para defender a política de juros altos e justificar os baixos índices de crescimento da economia brasileira. Segundo Meirelles, 9

Por | Edição do dia 19/03/2006 - Matéria atualizada em 19/03/2006 às 00h00

| Cláudia Trevisan Folhapress São Paulo - O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, atacou na sexta-feira a China para defender a política de juros altos e justificar os baixos índices de crescimento da economia brasileira. Segundo Meirelles, 9% de crescimento ao ano “é pouco” se for considerada a realidade chinesa de ausência de direitos trabalhistas, um enorme contingente de pessoas abaixo da linha da pobreza, a quase inexistência de Previdência Social e o caráter autoritário do regime. O único ponto positivo mencionado por ele foi o investimento em educação, que seria o maior da história em termos de percentual do PIB, de acordo com dados do governo chinês. “Algumas pessoas colocam a questão de por que o Brasil não cresce como outros países, entre eles a China. Acho a explicação muito simples, se olharmos para a China. A questão é saber por que a China cresce tanto”, declarou, em palestra realizada em São Paulo na posse de Emilson Alonso, CEO do HSBC, na presidência da Associação Brasileira de Bancos Internacionais (ABBI). Para ele, a resposta é “muito simples”. Além de citar o investimento em educação, Meirelles fez referência à existência de 650 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza, número bem superior aos 28 milhões reconhecidos pelo governo chinês. E prosseguiu: “Um país que é autoritário, que tem controle de migração interna, não tem praticamente direitos trabalhistas, que tem despesas de Previdência Social de 1% do PIB e, em conseqüência disso tudo, uma poupança nacional de 47% do PIB”. Desde que iniciou as reformas econômicas, em 1979, a China cresceu em média 9,6% ao ano. Em 2005, a expansão foi de 9,9%, comparados aos 2,3% do Brasil. O país asiático é considerado um “parceiro estratégico” pelo governo brasileiro e recebeu a visita do presidente Lula em 2004. No mesmo ano, o presidente chinês, Hu Jintao, esteve no Brasil. Atacado pelo excesso de conservadorismo da política monetária, Meirelles disse que a missão do BC é perseguir a meta de inflação fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), integrado pelo presidente do BC e os ministros da Fazenda e do Planejamento. Meirelles ressaltou que fracassaram os modelos “alternativos” de combate à inflação, entre eles o congelamento de preços e a adoção de uma âncora cambial. Em sua opinião, a experiência de bancos centrais em todo o mundo demonstra que o regime mais eficaz é o de metas de inflação, adotado no Brasil desde 1999. O aumento da taxa de juros é a arma para aproximar a alta de preços das metas fixadas pelo CMN. “Não cabe ao Banco Central ser criativo”, defendeu. Para tentar manter a inflação dentro da meta, o BC iniciou uma política de alta de juros em setembro de 2004. A tendência só foi revertida 12 meses depois, quando a taxa estava em 19,75% ao ano. Com os cortes realizados até agora, os juros caíram para 16,5%. O presidente do BC refutou as críticas que apontam a alta dose de juros como responsável pelo crescimento medíocre de 2,3% registrado em 2005. Segundo ele, outros fatores contribuíram para a baixa expansão do PIB, entre os quais a quebra da safra agrícola. Na avaliação de Meirelles, o país está pronto para iniciar um ciclo de crescimento sustentado, que já reflete nos números: a expansão de 2004 a 2006 deverá ser de 3,7% ao ano, comparados ao 1,8% do período 1999-2003.

Mais matérias
desta edição