app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Economia

Governo deve dar formato � agricultura

| MAURO ZAFALON Folha Online O pacote agrícola deve começar a tomar forma financeira a partir desta semana, quando ocorre uma nova reunião envolvendo os ministérios que avaliam as medidas de apoio ao setor, entre eles Agricultura e Fazenda. Neste ano,

Por | Edição do dia 26/03/2006 - Matéria atualizada em 26/03/2006 às 00h00

| MAURO ZAFALON Folha Online O pacote agrícola deve começar a tomar forma financeira a partir desta semana, quando ocorre uma nova reunião envolvendo os ministérios que avaliam as medidas de apoio ao setor, entre eles Agricultura e Fazenda. Neste ano, ao contrário de 2005, quando os dois ministérios tiveram fortes desavenças devido ao corte de verbas, as negociações deverão ser menos tensas. O cenário de perda é ainda mais grave e os efeitos da crise agrícola começam a ser transferidos para os setores da indústria e de serviços e a afetar o crescimento econômico do País. Quebradeira Há a convicção de que é necessário buscar solução para a agricultura porque nos Estados nos quais essa é uma das principais atividades há uma quebradeira maior, segundo Roberto Rodrigues, ministro da Agricultura. Esses efeitos são sentidos principalmente no Sul, mas a crise também já é forte no Centro-Oeste, carro-chefe da produção de grãos. O ministro diz que não há ainda uma estimativa do volume de dinheiro a ser transferido para a agricultura. Depende do Tesouro, da Fazenda e até da aprovação do Orçamento pelo Congresso, o qual ainda não foi votado no congresso. Rodrigues aponta ainda que os R$ 6 bilhões divulgados na última quarta-feira eram apenas uma estimativa, caso todos os impostos relativos à agricultura viessem a ser reduzidos ou zerados. Câmbio, preços e custos de logística e de insumos desbalancearam a renda dos produtores, “que hoje já não conseguem mais pagar as suas contas”, afirma o ministro. Efeito dominó Para o ministro, o governo está consciente de que é preciso minimizar o efeito dominó da crise agrícola que, se continuar, inibirá o avanço econômico deste ano. Para mostrar como o quadro se deteriorou no campo, Rodrigues diz que a perda nos últimos três anos já chega aos R$ 30 bilhões. “Há uma sensação de grande desalento no campo”, completou. Outro dado que mostra a perda da capacidade de investimentos dos produtores é a estimativa de que nas safras 2005/6 (que está sendo colhida) e 2006/7 (a ser plantada no final de ano) a área relativa de plantio do País deverá ser diminuida em 10 milhões de hectares, o que corresponderia a 25 milhões de toneladas de grãos. Uma coisa é certa, na visão do ministro. As medidas de apoio devem vir logo. Quanto mais demorarem, maiores serão as seqüelas para o setor, segundo ele. Entrelinhas Quanto à permanência no cargo, as chances de continuar até o final do governo “são boas”. Mas a mensagem das entrelinhas não dá tanta certeza: “Continuo movido pela esperança. Se não tiver esperança de que as coisas vão melhorar, paro e desço”, afirma.

Mais matérias
desta edição