app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5710
Economia

Pre�o dos combust�veis pode mudar diariamente

A Petrobras encomendou um estudo que mostrou a possibilidade de fazer revisões mais freqüentes no preço dos combustíveis, mas a assessoria da empresa descartou alterações no atual sistema de ajustes durante o período de transição de abertura do mercado, q

Por | Edição do dia 22/05/2002 - Matéria atualizada em 22/05/2002 às 00h00

A Petrobras encomendou um estudo que mostrou a possibilidade de fazer revisões mais freqüentes no preço dos combustíveis, mas a assessoria da empresa descartou alterações no atual sistema de ajustes durante o período de transição de abertura do mercado, que termina em junho. “O consumidor sente mais no bolso quando os reajustes acontecem em períodos mais longos, com menos freqüência, como está ocorrendo agora no Brasil”, disse o gerente de mercado interno da Petrobras, Alípio Ferreira Pinto, durante o 9º Congresso Brasileiro de Energia. “Não há uma decisão tomada, mas é claro que um reajuste com mais freqüência e menor magnitude traz menos perturbação para o consumidor”, defendeu ele, admitindo, inclusive, a possibilidade de realizar reajustes diários. Após a palestra do funcionário da Petrobras, a assessoria de imprensa da estatal divulgou uma nota reafirmando que a estatal “não está estudando reajustes diários nos preços dos combustíveis”. “A sistemática atual está mantida pelo prazo de 90 dias, divulgado por ocasião do reajuste dos preços do diesel, em 28 de março, e da gasolina, em 6 de abril”, afirmou a assessoria, acrescentando, no entanto, que “decorrido esse prazo a sistemática poderá ser reavaliada”. Depois da liberação da importação de derivados de petróleo, em 1o de janeiro, a Petrobras passou a praticar reajustes quinzenais da variação do preço do  combustível no mercado internacional para o preço nas refinarias,  sempre que a variação exceder  5%, para cima ou para baixo. A pesquisa encomendada pela estatal mostrou que, nos países onde o mercado é livre, 14% das empresas praticam reajustes quinzenais e 43% ajustam os preços no mesmo dia da oscilação do mercado internacional. Outros 43% ajustam no dia seguinte ao da variação externa. Com a nova metodologia, Pinto estima que os preços não mudariam diariamente para o consumidor nos postos de gasolina, porque as distribuidoras iriam absorver essas variações nos preços durante um período maior, e só depois repassariam o ajuste.

Mais matérias
desta edição