app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Economia

Globaliza��o modera infla��o mundial

| FOLHA ONLINE São Paulo - A globalização tem colaborado em grande parte com a redução da inflação no mundo, segundo relatório divulgado na quinta-feira passada pelo FMI (Fundo Monetário Internacional). “O FMI acha que, por meio dos preços internaciona

Por | Edição do dia 16/04/2006 - Matéria atualizada em 16/04/2006 às 00h00

| FOLHA ONLINE São Paulo - A globalização tem colaborado em grande parte com a redução da inflação no mundo, segundo relatório divulgado na quinta-feira passada pelo FMI (Fundo Monetário Internacional). “O FMI acha que, por meio dos preços internacionais dos produtos que não são petrolíferos, a globalização reduziu a inflação em um quarto de ponto porcentual em média nas economias desenvolvidas, com um efeito de até meio ponto nos Estados Unidos”, diz o documento, de acordo com informações da agência de notícias “France Presse”. No capítulo intitulado “Em que medida a globalização tem efeito sobre a inflação?”, que faz parte de seu informe sobre as perspectivas econômicas mundiais publicado antecipadamente, o FMI diz que se trata de uma média calculada sobre dez anos, e avalia que em períodos curtos - entre um e dois anos - a globalização pode ter reduzido a inflação em até um ponto porcentual. O relatório completo sobre as perspectivas econômicas mundiais, entre as quais se destacam as estimativas sobre o crescimento futuro, será publicado na próxima semana. A parte do documento divulgada quinta-feira passada e indica que a alta do petróleo também poderá exercer um efeito desestabilizador sobre a economia mundial devido, principalmente, ao reinvestimento nos Estados Unidos dos rendimentos dos países produtores, o que contribui para alimentar o déficit da balança de pagamentos dos Estados Unidos. “O reinvestimento dos petrodólares no mercado internacional de capitais ajuda a manter baixas as taxas de juros nos Estados Unidos, contribuindo para aumentar o déficit dos pagamentos correntes e estimular o consumo”, conclui o FMI. ///

Mais matérias
desta edição