app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5655
Economia

Ministro da Previdência Social diz que “fila do INSS nunca vai acabar”

Carlos Lupi promete, no entanto, reduzir análise de pedidos de benefício dos atuais 49 dias para 30 dias

Por Da Redação | Edição do dia 04/01/2024 - Matéria atualizada em 04/01/2024 às 04h00

O ministro da Previdência Social, Carlos Lupi, afirmou nesta quarta-feira (3) que a meta traçada pelo ministério para esse ano é que a fila de espera do INSS seja reduzida para 30 dias. Atualmente, o tempo para análise de pedido assistencial ou previdenciário é de 49 dias

“Todos mês tem cerca de 900 mil a 1 milhão de pedidos novos, por isso o máximo que se pode conseguir é ficar nos 30 dias em média de espera”, afirmou o ministro.

Mais cedo, ele já havia feito comentário similar na abertura do curso de formação dos aprovados no último concurso do INSS.

“Eu quero, nesse ano de 2024, chegar à data de 30 dias de espera para conclusão do benefício. O que quer dizer? Que no próprio mês que a pessoa dê entrada, conclua o processo”, disse.

Lupi reafirmou ainda que a fila do INSS “nunca vai acabar”.

“Quem diz que vai acabar a fila é mentiroso. Todo mês entram 900 mil pedidos, 1 milhão de pedidos novos, então todo mês terão pelo menos de 900 mil a 1 milhão de pessoas pedindo e ninguém resolve assim, tem que conferir documento, tem que ser justo”, completou.

Ao assumir o ministério em janeiro, Lupi prometeu zerar as filas do INSS. Em agosto, no entanto, o ministro recuou com a entrada de novos pedidos de benefícios e afirmou que isso “nunca” iria acontecer.

“O meu desafio é que ao mesmo o tempo que você tem que reduzir a fila, que chegou a mais de 1,8 milhão, você tem também o fluxo, diário e mensal de pedidos iniciais. A fila nunca vai zerar, mas o prazo médio de concessão vai ficar nos 45 dias em dezembro, com certeza”, afirmou, na época.

Segundo Lupi, depois de reduzir o tempo de espera na fila, o desafio será “humanizar” o atendimento do INSS.

ALAGOAS

Como a Gazeta de Alagoas mostrou, no fim de setembro do ano passado o INSS começou a ligar para segurados que estejam aguardando perícia médica para concessão de benefício por incapacidade temporária (antigo auxílio-doença) há mais de 45 dias. Em Alagoas, 21.998 estavam nessa condição, segundo o Boletim Estatístico da Previdência Social (Beps).

O objetivo era antecipar o benefício por meio do Atestmed. O mesmo boletim aponta que a fila do INSS para conseguir benefício aumentou 21,04% em Alagoas no primeiro semestre de 2023 – os dados do segundo semestre ainda não foram divulgados.. O ano começou com 29.853 alagoanos aguardando uma resposta do órgão. Já no final de junho, o balanço apontava que esse contingente subiu para 36.151, ou seja, 6.298 pessoas a mais.

Em todo o Brasil, a fila cresceu 15,43%, saindo de 1,2 milhão de pessoas para 1,4 milhão de pessoas. De acordo com os dados, a maioria dos alagoanos espera por uma resposta acerca de pedido de benefício ou aposentadoria há mais 45 dias, que é o prazo regulamentar.

Mais matérias
desta edição