app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5647
Economia

Balança comercial de AL encerra ano com superavit de R$ 1,1 bi

O desempenho foi puxado pelas exportações, que registraram crescimento de 60,3%, movimentando R$ 4,5 bilhões em 2023

Por Carlos Nealdo | Edição do dia 06/01/2024 - Matéria atualizada em 06/01/2024 às 04h00

O crescimento de mais de 60% nas exportações fez Alagoas encerrar 2023 com um superavit na balança comercial de US$ 230 milhões — o equivalente a R$ 1,1 bilhão no câmbio atual.

Os números, divulgados nesta sexta-feira, pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), representam uma forte recuperação em relação a 2022, quando o estado registrou um deficit de US$ 204,4 milhões (cerca de R$ 995,9 milhões) na balança - medida pela diferença entre exportações e importações.

No ano passado, o envio de produtos alagoanos para o exterior rendeu US$ 943,3 milhões (R$ 4,5 bilhões), um crescimento de 60,3% em relação ao ano anterior. Já as importações movimentaram US$ 713,3 milhões (R$ 3,4 bilhões), uma queda de 10% na comparação com 2022.

O açúcar foi responsável por 74% de todo volume exportado em 2023, movimentando US$ 702 milhões, um crescimento de 66,7% em relação ao ano anterior. Em números absolutos, Alagoas exportou US$ 281 milhões a mais entre um ano e outro.

Somente em dezembro, as empresas alagoanas exportaram US$ 96,6. Já as importações movimentaram US$ 66 milhões. Com isso, naquele mês, a balança comercial registrou um superavit de US$ 30,6 milhões (cerca de R$ 149,1 milhões).

Em todo o país, a balança comercial encerrou 2023 com superavit recorde de US$ 98,839 bilhões. O resultado representa alta de 60,6% sobre 2022, pelo critério da média diária, e é o maior desde o início da série histórica em 1989.

No ano passado, as exportações bateram recorde, enquanto as importações recuaram. Em 2023, o Brasil vendeu US$ 339,673 bilhões para o exterior, alta de 1,7% em relação a 2022. As compras do exterior somaram US$ 240,835 bilhões, recuo de 11,7% na mesma comparação.

Apenas em dezembro, a balança comercial registrou superavit de US$ 9,36 bilhões. O valor também é recorde para o mês, com alta de 127,1% sobre o mesmo mês de 2022 pelo critério da média diária, que minimiza a diferença de dias úteis entre meses iguais de um ano e outro.

As exportações totalizaram US$ 28,839 bilhões no mês passado, com aumento de 2,1% em relação a dezembro de 2022 pela média diária. As importações somaram US$ 19,479 bilhões, com queda de 11,3%, também pela média diária.

Em relação às exportações, o recorde decorreu principalmente do aumento da quantidade exportada, que subiu 8,7% no ano passado, impulsionado principalmente pela safra recorde de grãos. Os preços médios recuaram 6,3%, puxados principalmente pela desaceleração na cotação das commodities (bens primários com cotação internacional).

Nas importações, a quantidade comprada caiu 2,6%, mas o preço médio recuou 8,8%. A queda nos preços decorreu principalmente da redução no preço internacional do petróleo e de derivados, como fertilizantes, em 2023. Em 2022, as cotações dispararam por causa do início da guerra entre Rússia e Ucrânia.

Mais matérias
desta edição