app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5655
Economia

Inteligência artificial deve afetar 40% dos empregos no mundo, diz FMI

A coordenadora do fundo diz que na maioria dos cenários, a IA irá agravar a desigualdade geral

Por Agência Estado | Edição do dia 16/01/2024 - Matéria atualizada em 16/01/2024 às 04h00

A inteligência artificial deve afetar quase 40% dos empregos globais, com países com economias avançadas enfrentando maior exposição do que os mercados emergentes e os de renda mais baixa. A análise é do Fundo Monetário Internacional (FMI).

“Na maioria dos cenários, a IA irá provavelmente agravar a desigualdade geral, uma tendência preocupante que os formuladores de políticas devem abordar proativamente para evitar que a tecnologia alimente ainda mais as tensões sociais”, disse a diretora-geral do FMI, Kristalina Georgieva, numa publicação sobre o estudo.

O efeito da desigualdade de renda provocada pela inteligência artificial dependerá em grande medida do quanto a tecnologia complementa os que ganham mais.

Segundo Kristalina, uma maior produtividade dos trabalhadores e das empresas com rendimentos elevados aumentaria os retornos de capital, aumentando a disparidade de riqueza. Os países devem fornecer “redes de segurança social abrangentes” e programas de reciclagem para trabalhadores vulneráveis, defendeu ela.

Ainda de acordo com a análise, embora exista potencial para a IA substituir totalmente alguns empregos, o cenário mais provável é que ela complemente o trabalho humano. As economias avançadas podem ter cerca de 60% dos empregos afetados, mais do que os países emergentes e de baixo rendimento.

A abordagem de Kristalina sobre a inteligência artificial coincide com a reunião de líderes empresariais e políticos globais no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, onde a IA é um tema de discussão.

As empresas têm investido dinheiro na tecnologia emergente, por vezes suscitando preocupação entre os funcionários sobre o futuro das suas funções. Um exemplo é a Buzzfeed Inc., que anunciou planos de usar IA para ajudar na criação de conteúdo e fechou seu principal departamento de notícias, demitindo mais de 100 funcionários.

A União Europeia chegou a um acordo provisório em dezembro sobre a legislação que estabelece salvaguardas para a IA, enquanto os EUA ainda ponderam a sua posição regulamentar federal.

Mais matérias
desta edição