app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Economia

Receita já recebeu mais de 26 mil declarações de IR de alagoanos

O prazo de entrega dos documentos começou às 8h de sexta-feira (15) e se estende até as 23h59min59s de 31 de maio

Por Hebert Borges | Edição do dia 19/03/2024 - Matéria atualizada em 19/03/2024 às 04h00

Parte dos contribuintes aproveitou o fim de semana para acertar as contas com o Leão. Até as 19h desta segunda-feira (18), a Receita Federal recebeu 26.428 declarações do Imposto de Renda 2024. Em todo o Brasil, foram entregues 3 milhões de documentos.

Em Alagoas, 87,4% das declarações entregues têm imposto a restituir, 6,3% a pagar e 6,3% sem imposto. Os dados mostram ainda que 45,5% das declarações entregues no estado foram pré-preenchidas, 58,4% simplificadas e 3,4%, retificadoras. A média de idade do contribuinte alagoano é de 45 anos.

Maceió é a cidade alagoana com mais declarações entregues, com 12.137. A média de idade do contribuinte da capital é de 47 anos e 87,3% deles têm imposto a restituir, sendo que 50% opta pelo Pix como método de receber a restituição. Pindoba, o município menos populoso do estado, já conta com as declarações de 5 contribuintes.

O prazo de entrega da declaração começou às 8h de sexta-feira (15) e vai até as 23h59min59s de 31 de maio. O novo intervalo, segundo a Receita, foi necessário para que todos os contribuintes tenham acesso à declaração pré-preenchida, que é enviada duas semanas após a entrega dos informes de rendimentos pelos empregadores, pelos planos de saúde e pelas instituições financeiras.

Até 2019, o prazo de entrega da declaração começava no primeiro dia útil de março e ia até o último dia útil de abril. A partir da pandemia de Covid-19, a entrega passou a ocorrer entre março e 31 de maio. Desde 2023, passou a vigorar o prazo mais tardio, com o início do envio em 15 de março, o que dá mais tempo aos contribuintes para prepararem a declaração desde o fim de fevereiro, quando chegam os informes de rendimentos.

Outro fator que impulsionou o recorde foi a antecipação do download do programa gerador da declaração. Inicialmente previsto para ser liberado a partir da última sexta-feira (15), o programa teve a liberação antecipada para terça-feira passada (12).

Segundo a Receita Federal, a expectativa é que sejam recebidas 43 milhões de declarações neste ano em todo o Brasil, número superior ao recorde do ano passado, quando o Fisco recebeu 41.151.515 documentos. Quem enviar a declaração depois do prazo pagará multa de R$ 165,74 ou 20% do imposto devido, prevalecendo o maior valor.

Neste ano, a declaração terá algumas mudanças, das quais a principal é o aumento do limite de rendimentos que obriga o envio do documento por causa da mudança na faixa de isenção. O limite de rendimentos tributáveis que obriga o contribuinte a declarar subiu de R$ 28.559,70 para R$ 30.639,90.

Em maio do ano passado, o governo elevou a faixa de isenção para R$ 2.640, o equivalente a dois salários mínimos na época. A mudança não corrigiu as demais faixas da tabela, apenas elevou o limite até o qual o contribuinte é isento.

Mesmo com as faixas superiores da tabela não sendo corrigidas, a mudança ocasionou uma sequência de efeitos em cascata que se refletirão sobre a obrigatoriedade da declaração e os valores de dedução. Além disso, a Lei 14.663/2023 elevou o limite de rendimentos isentos e não tributáveis e de patrimônio mínimo para declarar Imposto de Renda.

Mais matérias
desta edição