app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5714
Esportes

Rodrigo Fabri comemora boa fase e j� admite ficar no Gr�mio

Porto Alegre - Rodrigo Fabri, atacante do Grêmio, comentou sexta-feira a boa fase que vem atravessando. “Fase é o seguinte: você dá três chutes durante uma partida e faz três gols”, diz Rodrigo, que está a ponto de se tornar o maior artilheiro do Grêm

Por | Edição do dia 06/10/2002 - Matéria atualizada em 06/10/2002 às 00h00

Porto Alegre - Rodrigo Fabri, atacante do Grêmio, comentou sexta-feira a boa fase que vem atravessando. “Fase é o seguinte: você dá três chutes durante uma partida e faz três gols”, diz Rodrigo, que está a ponto de se tornar o maior artilheiro do Grêmio em Campeonatos Brasileiros. Com os três que marcou contra o Paysandu, quarta-feira – chutando três vezes à meta – ele chegou à artilharia absoluta da atual competição com 13 gols. Paulo Nunes, artilheiro no bicampeonato brasileiro do Tricolor, em 1996, marcou 16 naquele ano. Baltazar, Tarciso e André Catimba dividem o segundo lugar, com 14 gols. “Vamos ajudar o Rodrigo a quebrar esses recordes”, promete o volante Tinga, um dos líderes do time. “Meu objetivo é ser campeão pelo Grêmio, mas estou rezando para essa fase se prolongar para que eu possa alcançar também essa graça”, torce Rodrigo Fabri. Ele reconhece: nem na Portuguesa, em 1996, quando explodiu para o futebol brasileiro, ele passou por um momento tão espetacular. “Não é por ser o artilheiro, essa é a melhor fase geral da minha carreira porque tudo o que eu faço dá certo”, diz ele. Cuidadoso, acrescenta: “A torcida precisa ter em mente que um dia ela passa. É esperar que, aí, outros do time entrem em fase abençoada”. Fabri recebeu congratulações até do gerente de futebol do Real Madrid, Jorge Valdano. O clube espanhol detém o passe do jogador. Antes do jogo de quarta, o dirigente ligou para Fabri. “Estou acompanhando sua trajetória com muita atenção. Parabéns”, disse-lhe Valdano. Ficou subentendido que o Real pensa em tê-lo de volta depois de 30 de junho de 2003, data em que expira o empréstimo ao Grêmio. “Mas não penso mais em voltar. Eu teria mais um ano de contrato com o Real. Vou abrir mão de metade dos ganhos no período para ficar com o passe. Quero continuar no Grêmio”, diz.

Mais matérias
desta edição