app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5756
Esportes

S�o Caetano quer Maracan� “careca”

São Paulo - Para sair com um bom resultado do Maracanã, amanhã, contra o Fluminense, o São Caetano pode contar com um aliado um tanto inusitado: o show da banda canadense Rush, hoje à noite, que pode danificar o gramado do Maracanã, o que atrapalharia o

Por | Edição do dia 23/11/2002 - Matéria atualizada em 23/11/2002 às 00h00

São Paulo - Para sair com um bom resultado do Maracanã, amanhã, contra o Fluminense, o São Caetano pode contar com um aliado um tanto inusitado: o show da banda canadense Rush, hoje à noite, que pode danificar o gramado do Maracanã, o que atrapalharia o clube carioca, que precisa mais  da vitória. “Gostamos de jogar em campos bons. Em um gramado ruim é bem mais fácil destruir do que construir. Como o Fluminense precisa reverter a nossa vantagem, pode ficar pior para eles”, diz o volante Claudecir. “Partidas em campos pesados, normalmente acabam empatadas.” O empate favorece o São Caetano, que por ter feito a melhor campanha durante a primeira fase, joga por dois resultados iguais. Além de vencer, o Fluminense corre atrás de uma boa vantagem de gols, já que a partida de volta será no Estádio Anacleto Campanella, no ABC, onde o São Caetano mostrou um grande aproveitamento durante a primeira fase – 11 vitórias e 2 empates. Não é só o regulamento que pode facilitar a vida do time do técnico Mário Sérgio, caso o gramado fique em más condições. Melhor defesa do Campeonato Brasileiro, o São Caetano baseia seu jogo na força física, e não mais no toque de bola, como nos tempos de Jair Picerni. “Nosso lema é: para conseguir uma vitória, é importante primeiro não deixar o adversário jogar”, diz Claudecir. O técnico Mário Sérgio entende que o São Caetano pode ser beneficiado pelo estado do gramado, mas acha, por outro lado, que as dimensões do Maracanã podem ajudar o time carioca. “A péssima condição do gramado será minimizada pelo tamanho do Maracanã. ê um campo muito grande, é mais fácil atacar do que defender.” O técnico, lembra, porém, que sua equipe não vai ao Rio pensando só na igualdade. “Não existe resultado pré-fabricado. Não posso ir pensando só no empate. Os nossos jogadores vão entrar em campo pensando exclusivamente na vitória. ê claro que um empate será muito bem recebido.” A maior preocupação do treinador é em relação ao mau desempenho de sua equipe fora de casa. Mário teme que isso se repita no Maracanã.

Mais matérias
desta edição