app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Esportes

Finalistas da S�rie B ainda sem estrutura para 2003

São Paulo - O que os novos integrantes do Campeonato Brasileiro da Série A, Fortaleza e Criciúma, poderão fazer em 2003 quando enfrentarem os grandes clubes? Esta é a dúvida que muita gente tem depois de definidos os finalistas da Série B. Os próprios clu

Por | Edição do dia 29/11/2002 - Matéria atualizada em 29/11/2002 às 00h00

São Paulo - O que os novos integrantes do Campeonato Brasileiro da Série A, Fortaleza e Criciúma, poderão fazer em 2003 quando enfrentarem os grandes clubes? Esta é a dúvida que muita gente tem depois de definidos os finalistas da Série B. Os próprios clubes não parecem preocupados com o futuro, mas apenas dispostos a comemorar o feito do presente. O presidente do Fortaleza, Jorge Mota, acha que seu time deve se concentrar, agora, em buscar o título da competição. “Podemos escrever uma página na história do futebol brasileiro”, diz ele, referindo-se ao fato de nenhum time cearense jamais ter conquistado o título da Segunda Divisão. O Fortaleza, fundado em 18 de outubro de 1918, já foi 23 vezes campeão estadual e espera deixar o rival Ceará para trás, pelo menos, em âmbito nacional. Sobre o futuro, nem o presidente sabe ao certo o que vai acontecer. Torcida Não existe nada concreto em termos de receita ou de investimentos, mas, segundo o cartola, o clube vai usar o seu maior patrimônio: sua torcida. A idéia é aproveitar, ao máximo, o fato de mandar os jogos no acanhado estádio Presidente Vargas, que comporta 22 mil torcedores, onde o time é imbatível. Se manteve invicto por 13 jogos na Série B, com 11 vitórias e dois empates. Sua média de público é de 10.770 com renda média de R$ 50 mil. É daí que vem a maior fonte de receita do clube. O time tem vários jogadores do Nordeste, com destaque para o baixinho Clodoaldo, que já marcou 11 gols. Mas a principal estrela do time é o centroavante Vinícius, artilheiro da competição, com 20 gols. Ele começou na Portuguesa Carioca, passou pelo Flamengo, mas estourou mesmo no time cearense. A situação do Criciúma também não é diferente. Dono da melhor campanha na Série B, o time catarinense também se destacou pela força em seus jogos em casa, com 12 vitórias e apenas um empate. Tem sete títulos estaduais e o inédito título da Copa do Brasil de 1991. Na época seu técnico era Luiz Felipe Scolari, o Felipão, pentacampeão pelo Brasil. A motivação no clube é enorme e a diretoria espera, até o próximo ano, reunir um grupo de empresas para apoiar a formação de um grande time no Brasileiro 2003.

Mais matérias
desta edição