app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5756
Esportes

CSA luta para garantir vaga na Copa SP

O CSA ainda não perdeu as esperanças de disputar a Copa São Paulo de Juniores, em janeiro. Embora apenas uma vaga tenha sido destinada a Alagoas, para o campeão Corinthians, a direção do clube do Mutange tomou conhecimento de que ainda existem três a sere

Por | Edição do dia 30/11/2002 - Matéria atualizada em 30/11/2002 às 00h00

O CSA ainda não perdeu as esperanças de disputar a Copa São Paulo de Juniores, em janeiro. Embora apenas uma vaga tenha sido destinada a Alagoas, para o campeão Corinthians, a direção do clube do Mutange tomou conhecimento de que ainda existem três a serem preenchidas, razão pela qual está mobilizando pessoas influentes em São Paulo para tentar garantir uma delas, segundo afirmou o vice-presidente de futebol Roberto Mendes. Por essa razão, os jogadores continuam desenvolvendo normalmente a programação elaborada para a competição. Caso, entretanto, o clube não obtenha êxito nessa tentativa, os jogadores serão liberados das atividades, reapresentando-se no Mutange junto com os profissionais, em data ainda a ser confirmada. O elenco deverá passar por uma avaliação da futura comissão técnica, que só será confirmada depois que for oficializado o calendário para a temporada 2003. O CSA tem duas competições oficiais a disputar – Campeonato Alagoano e o Brasileiro da Série C -, mas espera convite da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para disputar a Copa do Brasil, na condição de vice-campeão alagoano. Já o vice-presidente Jurídico do CSA, Aurélio Lages Filho, está desde ontem em Porto Alegre, conversando com a diretoria do Internacional, na tentativa de encontrar uma solução amigável para a quitação do débito de mais de R$ 200 mil que o clube gaúcho tem para com o clube alagoano. Esse débito decorre do não pagamento das promissórias em atraso, envolvendo a transferência dos jogadores Geninho, Rubiano e Cleiton para o Inter, este ano. Se não pagar. Aurélio deverá procurar a Justiça gaúcha para protestar as promissórias que não foram pagas.

Mais matérias
desta edição