app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Esportes Nesta quarentena, Loja Regatas, do CRB, resolveu investir na plataforma de delivery para atender aos clientes

CRB: torcida pode adquirir produtos por delivery

Loja Regatas investiu na plataforma para atender aos torcedores, enquanto Loja Azulão suspendeu as atividades nesta quarentena

Por jean nascimento | Edição do dia 22/05/2020 - Matéria atualizada em 21/05/2020 às 18h34

Nesta quarentena, Loja Regatas, do CRB, resolveu investir na plataforma de delivery para atender aos clientes
Já o rival CSA resolveu suspender as atividades de sua loja oficial enquanto durar a pandemia da Covid-19

Durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o decreto de Estado de Emergência do Governo de Alagoas da última quarta-feira (20) proíbe o funcionamento de  lojas ou estabelecimentos que pratiquem o comércio ou serviços de natureza privada, que não sejam considerados essenciais.

Na capital Maceió, CSA e CRB tomaram decisões distintas em relação a suas respectivas lojas de produtos oficiais dos clubes.

A Loja Regatas, do CRB, resolveu investir na plataforma de delivery, enquanto a Loja Azulão, que vende produtos do CSA, suspendeu as atividades.

De acordo com o responsável pelo estabelecimento regatiano, Lucas Ramires, a loja está funcionando somente por entregas. “Estamos apenas com o delivery, atendendo pelo telefone (82) 9.9915-1313 (whats). Os pedidos são entregues no mesmo dia, caso o cliente feche a compra entre 9 horas e 12 horas”, disse.

Quanto às formas de pagamento, segundo Ramires, poderão ser feitas por cartão de débito e crédito, podendo a compra ser parcelada em até três vezes sem juros no crédito. Lucas Ramires falou ainda sobre os produtos disponíveis para o torcedor regatiano na plataforma do delivery.

“Temos itens a partir de 10,00 até 199,90 – uma variedade de copos, canecas, cachecol, bandeira, boné, camisa masculina, feminina e infantil, porta cerveja e até a cerveja artesanal do CRB”, comentou.

“VAI PASSAR!”

De acordo com a gerente da loja azulina, Paula Beltrão, foram analisadas as condições de continuidade do funcionamento da loja e não seria uma boa opção neste momento de quarentena.

“Analisamos a modalidade de delivery e pegue e leve, mas não achamos viável. A saúde vem em primeiro lugar e, neste momento, devemos ficar em casa. Vai passar!”, exclamou Paula Beltrão.

* Sob supervisão da editoria de Esportes.

Mais matérias
desta edição