app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Esportes

Guarani e Ponte Preta fazem “derbi da morte”

Campinas - Ameaçados pelo rebaixamento no Torneio  Rio-São Paulo, Guarani e Ponte  Preta disputam o “dérbi da  morte”, neste sábado, às 16h,  no Estádio Brinco de Ouro da  Princesa. Este é o clássico campineiro de número 173, que ainda tem como ingredient

Por | Edição do dia 06/04/2002 - Matéria atualizada em 06/04/2002 às 00h00

Campinas - Ameaçados pelo rebaixamento no Torneio  Rio-São Paulo, Guarani e Ponte  Preta disputam o “dérbi da  morte”, neste sábado, às 16h,  no Estádio Brinco de Ouro da  Princesa. Este é o clássico campineiro de número 173, que ainda tem como ingrediente principal um tabu favorável ao Guarani que já beira os 15 anos. Neste período, a Ponte não comemorou nenhuma vitória sobre o rival. Os dois times têm 16 pontos cada e quem perder o duelo será o último colocado entre os paulistas, e, conseqüentemente, mais perto do rebaixamento no ano que vem. Isso, é claro, se o regulamento for cumprido à risca. Caso haja empate, a esperança é torcer contra improváveis tropeços do Etti Jundiaí, com 20 pontos, e arriscar a sorte na última rodada, quando a Ponte recebe o já classificado Palmeiras e o Guarani mede forças com o Botafogo, ainda na luta para chegar às semifinais. “Num clássico, o que vale mesmo é o momento. E o nosso momento é bom”, proclama o técnico Zé Mário, do Guarani. Menos otimista, Oswaldo Alvarez, o Vadão, da Ponte Preta, não perde a esperança de reverter a má fase e até evoca a tradição de que o vencedor do dérbi é normalmente quem “está vivendo o momento pior”. A fase, na verdade, é ruim para ambos. O Guarani não vence há seis jogos, enquanto a Ponte não ganha há sete. O mês de março foi um inferno aos rivais, sem nenhuma vitória no Rio-São Paulo. Times No Guarani, apesar do mistérios durante a semana, nenhum segredo. O time vai jogar no esquema 3-5-2 e sempre na espera dos erros do adversário. A Ponte, que perdeu o volante Roberto e o meia Adrianinho, pode promover a volta do veterano Ronaldão e também do esquema 3-5-2. Jean, recuperado de contusão, está confirmado no ataque ao lado do artilheiro Washington. O Guarani tem melhor retrospecto para sair do abismo. Venceu 61 vezes, empatou 56 e perdeu 54. Guarani - César; Gustavo, Edu Dracena e Aderaldo; Luciano Baiano, Sangaletti, Martinez, Marcinho e Jadílson; Léo e Dudu. Ponte Preta - Alexandre Negri; Carlos Alexandre, Rodrigo, Alex Oliveira e Elivélton; Luis Carlos (Ronaldão), Dionísio, Mineiro e Caíco; Jean e Washington. Juiz - Paulo César de Oliveira - (SP-FIFA) Local - Estádio Brinco de Ouro da Princesa, Campinas.

Mais matérias
desta edição