app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5714
Esportes

Juan culpa crise no rubro-negro �por n�o-convoca��o para Sele��o

Rio – O zagueiro Juan vive extremos: a esperança de ir à Copa da Coréia/Japão ou a triste possibilidade de assistir aos jogos do Mundial pela TV. Afinal, a 53 dias da estréia do Brasil na Copa contra a Turquia, ele passou de líbero da Seleção nas Elimina

Por | Edição do dia 12/04/2002 - Matéria atualizada em 12/04/2002 às 00h00

Rio – O zagueiro Juan vive extremos: a esperança de ir à Copa da Coréia/Japão ou a triste possibilidade de assistir aos jogos do Mundial pela TV. Afinal, a 53 dias da estréia do Brasil na Copa contra a Turquia, ele passou de líbero da Seleção nas Eliminatórias a preterido na lista dos jogadores que enfrentarão Portugal, dia 17. Essa situação faz o zagueiro dividir a responsabilidade, em caso de exclusão, com a diretoria do Flamengo. “O time não passa por um bom momento. Assim, fica difícil alguém se destacar e manter a regularidade. Além disso, só tentam fazer time de seis meses, o que atrapalha o entrosamento. Ainda tem a alta rotatividade de técnicos”, critica. Especulações Até o fato de ser alvo de especulações mensais sobre seu destino, por culpa de uma diretoria que busca soluções financeiras, não escapa das críticas de Juan. “Não é legal especular a provável saída, até porque não há nada de concreto”, garante o zagueiro, que tem a venda já incluída no orçamento para o segundo semestre: Lazio, Roma e Inter (Itália) e Manchester e Arsenal (Inglaterra) estão na fila. Se ele acredita tratar-se de especulações, está enganado. O agente-Fifa Jorge Moraes, com o aval do Flamengo, o oferece na Europa ao preço de US$ 10 milhões, mas com a disposição de redução. Informado, Juan prefere aguardar e dizer que, se for confirmado, sai pela porta da frente, ajudando o Flamengo a amenizar a crise financeira. “Se acabar negociado, ajudo o clube que me revelou a sair das dificuldades que enfrenta”, diz. Juan pode até acreditar ter recebido respingos da crise que assola a Gávea, mas admite que sua fase em 2002 não é das melhores. “No ano passado, estávamos mal. Porém, graças às partes física e à técnica apuradas, me destaquei”.

Mais matérias
desta edição