app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Esportes

Geninho n�o tem pressa para definir time do Vasco

Rio - O fato de não poder contar com jogadores importantes como Marcelinho, Alex Alves e Cadu para a partida que decide a Taça Rio, no próximo domingo, contra o Fluminense, não chega a tirar o sono do técnico do Vasco. Geninho, por sinal, não tem nenhuma

Por | Edição do dia 01/04/2004 - Matéria atualizada em 01/04/2004 às 00h00

Rio - O fato de não poder contar com jogadores importantes como Marcelinho, Alex Alves e Cadu para a partida que decide a Taça Rio, no próximo domingo, contra o Fluminense, não chega a tirar o sono do técnico do Vasco. Geninho, por sinal, não tem nenhuma pressa em definir quem será o companheiro de Valdir no ataque cruzmaltino. “A definição da equipe só vai acontecer após o coletivo de amanhã. Até lá vou aproveitar o tempo para testar as opções que tenho. É bem verdade que elas não são muitas, mas vamos observar quem melhor se encaixa na posição”, informou Geninho. Tranqüilo, o treinador do Vasco se esquiva com facilidade da condição de favorito que o time do Fluminense tenta empurrar para cima de sua equipe, por conta da goleada que aconteceu na fase classificatória da Taça Rio. “Teoricamente, favorito é quem mais investiu para participar da competição. E quem fez isto foi o Fluminense, que contratou grandes jogadores para a disputa do Estadual. Logo, quem a obrigação de vencer é deles e não de uma equipe como a do Vasco, que passa por um grande processo de renovação”, analisou o treinador. “Além do mais, o time deles evoluiu muito desde aquela goleada. O Ricardo (Gomes) identificou os erros e tem procurado  trabalhar em cima disto. Portanto, este será um jogo bem diferente e não acredito que possa acontecer uma nova goleada”, finalizou. Fluminense A decisão da Taça Rio entre Fluminense e Vasco, já começa a mexer com os nervos dos jogadores. O meia Roger decidiu “chutar o balde” e afirmou que o Tricolor precisa tomar cuidado com o árbitro que será escolhido para apitar a final. “Temos que estar de olhos bem abertos para a escolha do árbitro, principalmente quando se trata de enfrentar o time do Caixa d’Água ou a equipe do Eurico”, ressaltou o jogador. Roger, é claro, estava se referindo ao Americano, time do Caixa d’Água - apelido de Eduardo Viana, que preside a Federação do Rio - e ao Vasco, presidido por Eurico Miranda.

Mais matérias
desta edição