app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5717
Esportes Presidente do CRB, Marroquim disse que diretores e conselheiros vão ajudar torcedor que teve carro depredado

PM/AL pede suspensão de organizadas de CRB e CSA

Situação aconteceu no último domingo (22), durante confusão entre torcidas

Por Fernanda Medeiros e Rayssa Cavalcante | Edição do dia 24/01/2023 - Matéria atualizada em 24/01/2023 às 04h00

Em nota emitida nessa segunda (23), a Polícia Militar de Alagoas (PM/AL) informou que enviará ao Ministério Público Estadual (MPE/AL) a solicitação para suspender as torcidas organizadas envolvidas nos atos de violência desse domingo (22). Também nessa segunda (23), o MPAL informou que havia cobrado providências do Comando de Policiamento da Capital (CPC) no sentido de identificar os envolvidos nas confusões.

Em uma das confusões, o torcedor regatiano Francisco dos Santos foi alvo de vândalos, quando trafegava com seu veículo no bairro de Mangabeiras, em Maceió. Ele estava vestindo uma camisa do clube e teve o carro apedrejado por membros da Torcida Organizada Mancha Azul, do CSA. No mesmo dia, houve uma festa de aniversário da torcida, no estacionamento de Jaraguá e, também, o jogo CRB x Sergipe, pela Copa do Nordeste, no Rei Pelé. Diante disso, várias confusões entre torcedores dos dois times, mais precisamente de Mancha Azul e Comando Alvirrubro, foram registradas em alguns pontos da cidade. 

O presidente do CRB, Mário Marroquim, revelou em entrevista ao ge/al, nessa segunda (23), que o clube pretende ajudar o torcedor Francisco dos Santos, pois o episódio gerou revolta entre diretores e conselheiros do CRB. Inclusive, o automóvel do torcedor é o seu ganha-pão, pois ele trabalha fazendo serviços de táxi/lotação. 

“Estamos trabalhando para ajudar o rapaz. A própria diretoria já colocou no grupo do Conselho (Deliberativo) para fazer uma vaquinha”, disse Marroquim, em entrevista ao ge/al. 

Ele também comentou a imprudência por parte da Segurança Pública de Alagoas em permitir a realização de eventos simultâneos envolvendo torcidas rivais. 

“Acho um ato de irresponsabilidade colocar a nossa única alternativa de saída do Rei Pelé, num dia do jogo da Copa do Nordeste, para fazer uma festa da Mancha Azul. Então, é preciso ter responsabilidade com as famílias. Poderia ter tido casos piores, então, fico muito triste com essa falta de consciência”, disse ao ge/al.

Mais matérias
desta edição