app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5710
Esportes Jogos da Série B estão sendo investigados por manipulação

MP: Mensagens indicam pagamentos a atletas

MP/GO está apurando diversas denúncias de manipulação na Série B de 2022

Por GE | Edição do dia 17/02/2023 - Matéria atualizada em 17/02/2023 às 04h00

A investigação do Ministério Público de Goiás, que apura denúncias de manipulação de resultados na Série B, pode se desdobrar numa operação de abrangência nacional, com ações em outros estados. Mensagens obtidas pelo MP apontam pagamentos feitos a atletas de quatro estados,  já em 2023. 

O objeto inicial da investigação é uma denúncia do presidente do Vila Nova, Hugo Jorge Bravo, de que o meio-campista Romário foi cooptado por apostadores para fazer um pênalti no 1º tempo do jogo contra o Sport, pela rodada final da Série B de 2022. 

Mas ao longo da apuração já ficou claro que há jogadores de outros clubes envolvidos – Joseph, zagueiro do Tombense, e Mateusunho, na época no Sampaio Corrêa e hoje no Cuiabá, foram formalmente citados pelo MP. Gabriel Domingos, também do Vila, está sendo investigado por ter emprestado a conta bancária para Romário receber o dinheiro. 

Ao cumprirem um mandado de busca e apreensão, os investigadores encontraram no celular de um dos alvos da operação (aliciador de jogadores) uma mensagem que indicava pagamentos feitos já em 2023 para atletas que atuam em Mato Grosso, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Goiás. 

Segundo o G1, o empresário Bruno Lopez de Moura foi preso em São Paulo por participar do esquema. Conforme o MP, ele era o responsável por fazer o contato com os jogadores e realizar os pagamentos. 

O MP não tem detalhes de quais jogadores e jogos poderiam ter sido corrompidos. O foco inicial da operação “Penalidade Máxima” é Romário, que deixou o Vila em 2022 e em 2023 já passou pelo Goiânia. Na mensagem vista no celular de um dos alvos da operação, três clubes são citados: São Luiz-RS, Novo Hamburgo-RS e Villa Nova-MG. Mas o MP não considera que times e dirigentes sejam suspeitos de compor o esquema. 

Os clubes foram procurados pelo GE. O São Luiz disse, por nota, que “recebeu com surpresa a informação e já está em contato e à disposição das autoridades competentes, bem como aguarda a continuidade das investigações”. O Novo Hamburgo disse que solicitou uma reunião com a Federação Gaúcha, o MP e a polícia “para obter maiores informações e para que possa adotar todas as medidas necessárias para a proteção do clube contra eventuais atos criminosos”. 

E o presidente do Villa Nova-MG, Bruno Sarti, disse ao ge: “Tomamos ciência desta notícia que circulou nas mídias do Brasil (...). Estamos atentos procurando obter mais detalhes, mas por enquanto nada nos leva a uma conclusão”.

Mais matérias
desta edição