app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5730
Esportes

Ribamar se apresenta ao CSA e ficar� na reserva amanh�

| FERNANDA MEDEIROS Repórter Já regularizado, segundo garantiu o supervisor do CSA, Marcos Lima Verde, o atacante Ribamar chegou ontem à tarde a Maceió e deverá ficar no banco de reservas, no jogo de amanhã, contra o Penedense, em Penedo. Ele se apres

Por | Edição do dia 28/01/2006 - Matéria atualizada em 28/01/2006 às 00h00

| FERNANDA MEDEIROS Repórter Já regularizado, segundo garantiu o supervisor do CSA, Marcos Lima Verde, o atacante Ribamar chegou ontem à tarde a Maceió e deverá ficar no banco de reservas, no jogo de amanhã, contra o Penedense, em Penedo. Ele se apresentou ao técnico Agnaldo Liz, mas não participou do treinamento no Mutange, pois chegou somente no final da tarde. Mesmo assim, como vinha atuando no Nacional de Patos-PB, deverá ficar à disposição do treinador, como uma boa opção para o ataque azulino. No coletivo de apronto, realizado ontem à tarde, a novidade foi o retorno do volante Marquinhos Mossoró, que foi liberado pelo Departamento Médico do clube. Ele treinou normalmente, tornando-se, assim, outra opção para o meio-campo, no difícil compromisso com o time ribeirinho. Na formação que iniciou o coletivo, inclusive, Mossoró estava presente. Edmilson e Leomar, machucados, ficaram de fora do treinamento. A contusão de Edmilson não preocupa, e ele deverá jogar, mas Leomar sequer foi relacionado, ou seja, o artilheiro do CSA está mesmo fora da partida de amanhã. Outro que voltará ao time é o zagueiro Picoli, que cumpriu suspensão automática pela expulsão no jogo com o Coruripe. A delegação azulina viaja hoje, após o almoço, para a cidade de Penedo, onde ficará hospedada no Hotel São Francisco, curiosamente, o mesmo hotel onde também estará a delegação do Penedense. Rescisão de Lulinha Ontem, o vice-presidente de Futebol do CSA, Augusto Farias, explicou a situação do meia Lulinha, dispensado na semana passada e que esteve no Mutange, na quinta-feira, alegando que queria receber o dinheiro da rescisão de contrato. “O Lulinha trabalhou no CSA durante 19 dias, mas decidimos arredondar esse período para 30 dias, ou seja, fizemos a proposta de pagar a ele o valor correspondente a um mês. Além disso, ficamos de dar a passagem para ele ir embora. Só que ele não aceitou, pois, além dos 30 dias que oferecemos, quer receber mais um mês. E nós não vamos pagar”, afirmou Augusto Farias.

Mais matérias
desta edição