app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Esportes

Presidente do Bonja nega mala preta

| DA EDITORIA DE ESPORTES O presidente do Bom Jesus, Edvaldo Lins da Silva, o Panga, nega a existência de pagamento aos jogadores do ASA para facilitar e favorecer o Bonja na partida contra o Alvinegro arapiraquense, na última rodada da 1ª fase do 1º tur

Por | Edição do dia 25/03/2006 - Matéria atualizada em 25/03/2006 às 00h00

| DA EDITORIA DE ESPORTES O presidente do Bom Jesus, Edvaldo Lins da Silva, o Panga, nega a existência de pagamento aos jogadores do ASA para facilitar e favorecer o Bonja na partida contra o Alvinegro arapiraquense, na última rodada da 1ª fase do 1º turno, no dia 19 deste mês. O duelo terminou empatado, 1 a 1, e o resultado rebaixou o time. Pela suposta mala preta, o time de Matriz de Camaragibe teria pago cerca de R$ 4.500. Segundo notícias de bastidores no Bonja, os jogadores do ASA teriam também recebido dinheiro do Ipanema, clube que lutava contra o rebaixamento junto com o alvinegro camaragibano. Imagens de uma emissora de TV registraram uma confusão após o jogo entre os dois clubes. Os jogadores do ASA ficaram presos no vestiário e foram ameaçados por pessoas ligadas ao Bom Jesus, que reclamavam do pagamento aos atletas do alvinegro e da não facilitação dos mesmos no jogo em prol do time de Matriz. “Essa suposta reunião com o ASA não houve. Eu, pelo menos, não participei de reunião nenhuma. Nem eu e muito menos a diretoria. Essa história de dinheiro desconheço. Se o time foi rebaixado, foi por negligência e incompetência da própria equipe, que não soube vencer os últimos quatro jogos em casa (empatou dois e perdeu dois)”, avalia Panga. Sobre o assunto, o vice-presidente da FAF, Ederaldo Almeida, afirmou que a entidade só poderá tomar providências se for provocada. “Não sabemos se o TJD-AL recebeu alguma denúncia, mas creio que até o momento não. Se receber oficialmente, o tribunal é quem vai tomar as providências. A FAF lamenta o que houve, mas só pode agir se for provocada”. Em dificuldade Panga assumiu a presidência do time ano passado. Seu mandato vai até 2007, mas ele não sabe se continua. “Muitos não queriam assumir a presidência por saber das dificuldades, que eram grandes. Mas fizemos o melhor, dentro das nossas condições. Não sei se irei continuar. No momento quero analisar a situação, tocar a vida”, diz o presidente. O Bom Jesus estava na 1ª Divisão desde 2002. Um ano antes havia sido campeão da 2ª Divisão.

Mais matérias
desta edição