app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Esportes

Felip�o apelida de “Blitz” �estilo de jogo da Sele��o

Kuala Lumpur, Malásia - O técnico Luiz Felipe Scolari já inventou um apelido para o estilo de jogo que ele quer implementar na Seleção Brasileira. Trata-se da “Blitz”. Apesar da toda pompa de novidade dada a sua “invenção”, o sistema não tem nada de novo.

Por | Edição do dia 23/05/2002 - Matéria atualizada em 23/05/2002 às 00h00

Kuala Lumpur, Malásia - O técnico Luiz Felipe Scolari já inventou um apelido para o estilo de jogo que ele quer implementar na Seleção Brasileira. Trata-se da “Blitz”. Apesar da toda pompa de novidade dada a sua “invenção”, o sistema não tem nada de novo. A idéia de Felipão é que todos os jogadores, sem exceção, participem da marcação. Os primeiros a darem combate são os atacantes, que deverão pressionar a defesa adversária e tentar roubar a bola. Se eles falharem, os volantes fazem o segundo combate. Em último caso, os três zagueiros fazem a última tentativa de parar a jogada adversária. Terça-feira, no segundo dia de treinamentos em Kuala Lumpur, na Malásia, o principal motivo das discussões de Felipão com seus jogadores eram as falhas no fundamento da marcação. Rivaldo foi quem mais levou broncas do técnico. O treinador disse que a maioria dos atacantes estrangeiros faz marcação e que isto deve ser repetido pelo Brasil. Apesar de esta não ser uma característica do atacante brasileiro, Felipão se disse entusiasmado com o rendimento dos jogadores de frente da Seleção. “Estou feliz com a reação de atletas que não têm esta característica”, afirmou, em entrevista coletiva. A idéia de Scolari é tentar uma reedição do futebol jogado pela seleção holandesa na Copa de 1974, na Alemanha, cujo esquema foi apelidado de “Carrossel Holandês”. Naquele time, porém, o técnico Rinus Mitchels pedia também que seus jogadores tocassem a bola, além de apenas marcar. Uniforme Os jogadores da Seleção Brasileira não se importaram com o aspecto visual da nova camisa da equipe, fabricada pela Nike, mas não suportaram o calor provocado pelo novo modelo. Antes do treino de terça-feira em Kuala Lumpur, na Malásia, muitos atletas cortaram o forro da camisa para que pudessem suportar a temperatura. O forro, entretanto, foi justamente uma das inovações feitas pela Nike, que passou dois anos no desenvolvimento do modelo, que será utilizado no amistoso do próximo sábado, contra a Malásia e durante a Copa do Mundo.

Mais matérias
desta edição