app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5656
Esportes Situação que rendeu punição ao Tricolorido aconteceu na semana passada, durante o embate entre CSE e ASA, pelo Campeonato Alagoano

CSE entra com recurso e busca liberação do Estádio Juca Sampaio

Clube diz que decisão do TJD-AL foi desproporcional, após acontecimentos no jogo contra o ASA

Por Guilherme Nobre | Edição do dia 31/01/2024 - Matéria atualizada em 31/01/2024 às 04h00

O CSE está em busca da reabertura dos portões do Estádio Juca Sampaio, em Palmeira dos Índios. Nessa terça-feira (30), o clube entrou na justiça para reverter a decisão do Tribunal de Justiça Desportiva de Alagoas (TJD-AL), que puniu o Tricolor por 60 dias, sem a presença da torcida nos jogos.

A diretoria tricolorida classificou a decisão como desproporcional e desarrazoada. A punição se deu por conta da confusão na partida entre CSE e ASA, pelo Campeonato Alagoano, quando Allef, volante alvinegro, foi ferido por um torcedor.

De acordo com a apuração do repórter Everton Luis, do Timaço na Gazeta, para conseguir reverter a decisão, o CSE pode até mesmo pedir a suspensão da realização do Campeonato Alagoano. Confira a nota oficial:

“O CSE vem através deste comunicado, informar a todos, que a nossa Assessoria Jurídica já está tomando as medidas necessárias, objetivando reverter a decisão liminar prolatada pelo TJD/AL na data de 29/01/2024, a qual suspendeu, pelo prazo de 60 (sessenta) dias a realização de jogos do Campeonato Alagoano e da Copa Alagoas com portões abertos, podendo, no entanto, realizar os jogos sem a venda de ingressos e presença de torcedores.

O Clube entende que referida decisão liminar é desproporcional e desarrazoada, vez que ambas as competições são de curto prazo, afetando diretamente a renda do clube com a proibição da venda dos ingressos e realização dos jogos com a presença de sua torcida, inviabilizando inclusive a sua participação.

Outrossim, quanto ao lamentável incidente no jogo contra o ASA, ocorrido no dia 25/01/2024, o Clube reitera que em conformidade com o artigo 213, §3º do Código Brasileiro de Justiça Desportiva - CBJD, todas as medidas necessárias foram tomadas, vez que o agressor foi identificado, apresentado a autoridade policial e o competente boletim de ocorrência foi realizado, bem como repudiou qualquer forma de violência no esporte, reafirmando o compromisso com as autoridades competentes”.

Nessa terça-feira (30), o Ministério Público de Alagoas (MPAL) fez uma vistoria no Juca Sampaio e relatou algumas falhas. O MP disse que são necessárias algumas mudanças, principalmente referentes à prevenção, como o aumento das grades e fechamento dos portões que separam as torcidas.

A Polícia Militar e representantes do clube também estiveram no Juca, avaliando possíveis melhorias. Inclusive, o CSE deve implementar proteções, com tendas infláveis sobre os vestiários, para evitar que atletas sejam atingidos por possíveis objetos.

Na próxima terça-feira, 6 de fevereiro, às 9h, está agendada reunião entre o MP e outros órgãos públicos para tratar sobre a elaboração de um termo de ajustamento de conduta (TAC) com regras para a realização do jogos de futebol na cidade.

Mais matérias
desta edição