app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5655
Esportes Daniel Alves está em prisão preventiva há mais de um ano e pode pegar nove anos de prisão

Caso Daniel Alves: juíza aceita pedido e jogador vai depor nesta 4ª

Ele vai depor por último e, segundo a imprensa espanhola, vítima reforça a acusação de agressão sexual

Por Metrópoles e GE | Edição do dia 06/02/2024 - Matéria atualizada em 06/02/2024 às 04h00

Começou nessa segunda-feira (5) o julgamento de Daniel Alves, em Barcelona, na Espanha, por suposta agressão sexual contra uma mulher de 23 anos em uma casa noturna, na cidade catalã. O brasileiro alega inocência e afirma que a relação foi consensual. A defesa do atleta, encabeçada pela advogada Inés Guardiola, pediu a suspensão da audiência, mas teve o pedido negado pela juíza Isabel Delgado Pérez.

Em contrapartida, a magistrada aceitou o pedido para que o jogador preste depoimento no fim da audiência, após serem ouvidos a denunciante, as testemunhas e os peritos. Os trabalhos têm previsão de encerramento nesta quarta-feira (7).

A defesa de Daniel Alves requisitou a suspensão do julgamento oral sob a alegação de ter ocorrido investigações iniciais sem o conhecimento do jogador, além do argumento de que o atleta poderia ter realizado teste do bafômetro no período – em sua mais recente sustentação, ele afirma que estava alcoolizado na noite do episódio.

A advogada citou também o fato de o juiz de instrução ter negado o pedido para que um segundo perito examinasse a mulher que acusa Daniel Alves, reclamou de um “julgamento paralelo” da imprensa, o que teria pesado na decisão de prisão preventiva, e comentou que o jogador vive situação financeira complicada, com dúvidas de quase R$ 3 milhões com a Fazenda da Espanha.

O depoimento de Daniel Alves estava previsto para essa segunda-feira. Ele chegou ao tribunal escoltado pela polícia e entrou no local pela porta dos fundos, vestindo calça jeans e camisa social branca. Familiares do jogador, como o irmão Ney Alves, e a mãe, Lúcia Alves, marcaram presença no julgamento.

De acordo com os jornais “La Vanguardia” e “El Periódico”, a denunciante, durante depoimento confidencial, voltou a acusá-lo de agressão sexual em caso ocorrido em dezembro de 2022. Ela depôs durante cerca de uma hora e 15 minutos, a portas fechadas, com a voz distorcida e sem contato visual com o brasileiro. Tais medidas foram adotadas pelo tribunal como proteção à identidade da denunciante.

Daniel Alves, que está em prisão preventiva há mais de um ano, acompanhou a audiência no Tribunal de Barcelona sem estar algemado.

Mais matérias
desta edição