Nº 0
Fatos & Notícias

Confira os destaques da política alagoana #FN03122019

.

Por FATOS & NOTÍCIAS | Edição do dia 03/12/2019 - Matéria atualizada em 02/12/2019 às 21h55

O discurso do governador Renan Filho de que Alagoas anda pra frente e o Brasil, pra trás, não tem refletido a realidade dos fatos se analisar sua administração nos últimos anos.

O Estado de Alagoas tem, atualmente, um sem número de obras paralisadas, algumas secretarias alvos de investigação da Polícia Federal por malversação de dinheiro público e o próprio governador é investigado por recebimento de propinas na campanha de 2014. Mas, mesmo assim, tenta enganar o povo com falsas promessas. Ultimamente fez um carnaval sobre conquistas inexistentes no exterior, gastou o dinheiro do povo com passagens aéreas, hospedagens em hotéis de luxo, diárias internacionais transformadas em euro, rega-bofes e, de prático para a população, um zero à esquerda.

Em vez de se locupletar com o dinheiro sofrido dos alagoanos, o melhor seria o governador trabalhar mais e prometer menos o que não pode cumprir.


LIVES AO VENTO

Querendo inventar moda, mas à custa do erário, o governador utiliza a milionária conta publicitária em torno de R$ 80 milhões para tentar enganar a população com promessas que muitas das vezes não são cumpridas. Anuncia a construção de novas estradas, hospitais, hemocentros, mas nada sai praticamente do lugar.


PERDENDO O JOGO

A disputa pelo poder, uma obsessão do “Pequeno Polegar”, tem trazido várias decepções. Uma delas é a queda de braço com a Assembleia Legislativa. Sem conseguir mais dominar os deputados como fazia antigamente, ele está entre frustrado e decepcionado. Tem perdido quase todos os embates na Casa de Tavares Bastos.


TROCO DO TIO

O deputado Olavo Calheiros, tio de Renan Filho, é um dos parlamentares que, surpreendentemente, não querem conversa com o governador e é um poço de mágoas. Sabe, pelo seu comportamento, que não adianta malhar em ferro frio e se expor em sua defesa na Assembleia Legislativa. O governador, ao que parece, não tem tido aptidão para o diálogo.


LONGE DELE

Para quem não sabe, Olavo Calheiros faz meses que não falar com o sobrinho. Se ele, como primeiro-tio, não tem lá esse relacionamento, imagine os outros deputados. É por isso e por outras coisas que vetos do poder executivo são rotineiramente derrubados na Assembleia.


SOBROU PARA A PREFEITURA

A 14ª Vara Cível de Maceió condenou a Prefeitura a pagar 13 aluguéis, IPTU e contas da Casal e Ceal atrasados do local onde funcionou a Câmara Municipal de Vereadores até 2009. A Prefeitura também deverá pagar indenização por danos materiais e multa. A decisão do juiz Antônio Emanuel Dória Ferreira foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico de quinta-feira (28).


SOBROU PARA PREFEITURA 2

De acordo com a sentença, a Câmara firmou contrato de aluguel de um imóvel da empresa Sampaio de Melo Comércio LTDA em 2001, pelo período de dois anos. A autora da ação alegou que o imóvel só foi devolvido em junho de 2009, com 13 meses de aluguéis atrasados e dívidas de IPTU, com a Casal e a Ceal, além de estar "totalmente deteriorado".


ERRAMOS

Por um falha técnica, o título da chamada para matéria sobre a situação dos bairros do Pinheiro, Mutange e Bebedouro, na capa da edição do fim de semana, saiu grafado incorretamente: “horizontamente”, em vez de “horizontalmente”. Pedimos desculpas aos leitores.

» Saíram as datas para saque da ajuda humanitária do governo federal durante o mês de dezembro aos moradores que deixaram seus imóveis nos bairros do Pinheiro, Mutange e Bebedouro por causa dos afundamentos e rachaduras. O calendário começa amanhã (4), quando a 10ª parcela do lote 3 será liberada, seguindo o pagamento até o dia 31 » Um menor em situação de rua, de 14 anos, se apresentou à polícia, ontem, e confessou a autoria do assassinato do pai. A vítima, Cristiano Henrique Santana da Silva, de 35 anos, foi morto com pedradas na cabeça na madrugada da última sexta-feira (29). » O garoto afirmou que sofria agressões constantes do pai, que, segundo ele, também o obrigava a trabalhar no tráfico de drogas como "aviãozinho".

Mais matérias
desta edição