app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Fatos & Notícias

Confira os destaques da política alagoana #FN22052020

.

Por FATOS & NOTÍCIAS | Edição do dia 22/05/2020 - Matéria atualizada em 21/05/2020 às 22h36

A centralização de todas as ações que Renan Filho imprimiu desde o início do seu governo, mandando em tudo e fazendo tudo, está trazendo, agora, sérias consequências para ele próprio. Como está sentindo pressão por todos os lados e perdendo a cada dia mais popularidade, o governador está numa encruzilhada: não tem com quem dividir as responsabilidades, tampouco promove novas ações para transpor essa fase difícil da Covid-19.

Acostumado com lives e postagens nas redes sociais, como se isso fosse a solução de todos os problemas, o governador sabe mais do que ninguém que enveredou por um caminho tortuoso do ponto de vista público. Parte da população já não acredita nas suas palavras, e ele passa a ser hostilizado em quaisquer aparições públicas, seja presencial seja pelas redes sociais, salvo aqueles que estão sendo beneficiados pelo seu governo.


PREJUÍZO

Observando-se as pesquisas realizadas em anos anteriores, a Federação do Comércio estima um prejuízo para venda no Dia das Mães em torno de R$ 22,5 milhões, rombo considerável para o comércio, que está praticamente com suas portas fechadas. Com as dificuldades de financiamento através do governo federal e a indiferença do governo do Estado, a perspectiva de uma quebradeira geral não está descartada.


NÃO QUER CONSELHO

Voluntarioso e individualista, Renan Filho não quer sugestões de como o comércio dar a volta por cima nesta crise de pandemia. O comércio e a indústria já acenaram para Renan encontrar soluções práticas, mas ele prefere seguir o protocolo de alguns governadores do Norte e Nordeste e arriscar nas alternativas caseiras.


ATENDIMENTO PRECÁRIO

Embora o governador Renan Filho e a Secretaria de Saúde estejam falando uma linguagem só, as críticas e reclamações sobre os atendimentos nos postos e UPAs são constantes. O principal é sobre a prescrição de medicamentos que a população mais sofrida não tem condições de adquirir.


FREIO

Se depender dos principais assessores, o governador daria uma trégua nas redes sociais. Ele se enrola cada vez durante suas aparições e passa a complicar ainda mais a logística que está sendo posta em prática pela secretaria de Saúde


DESABANDO

O Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol) denunciou ontem que parte do teto do Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp), da cidade do Pilar, desabou. Com apenas nove meses de inaugurado pelo governo Renan Filho, o Cisp já apresenta problemas estruturais, que colocam em risco a permanência de policiais civis.


OBRAS MALFEITAS

Não é a primeira vez que uma unidade construída com valores milionários apresenta problemas em sua estrutura logo após a inauguração. Casos semelhantes já foram denunciados pela entidade em Mata Grande, São José da Tapera, entre outros municípios.


VÍTIMAS

O Sindicato de Guardas Civis Municipais de Alagoas (Sindguarda-AL) divulgou ontem a morte de quatro profissionais em decorrência do novo coronavírus, além de outros 29 infectados pelo vírus e 28 casos suspeitos. As vítimas trabalhavam nos municípios de Maceió, Barra de Santo Antônio e Pilar. A direção do Sindguarda-AL diz estar acompanhado de perto essa situação, exigindo que as prefeituras forneçam Equipamentos de Proteção Individual (EPI) como álcool em gel, máscaras e luvas para que os guardas possam trabalhar com mais segurança.


» O Inep autorizou, nesta quinta-feira (21), após uma solicitação da Defensoria Pública da União (DPU) em Maceió, que o estudante sem RG pode realizar a inscrição no Enem 2020. A decisão é válida para estudantes de todos os estados do Brasil.

» A medida se torna necessária devido os problemas de emissão e regularização do RG durante a crise do novo coronavírus, que provocou a paralisação das atividades presenciais dos institutos de identificação.

» A Câmara dos Deputados aprovou ontem projeto que prevê o pagamento de compensação financeira de R$ 50 mil aos profissionais de saúde por morte ou incapacidade permanentemente para o trabalho após serem contaminados pela Covid-19.

Mais matérias
desta edição