app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Fatos & Notícias

Confira os destaques da política alagoana #FN26062020

.

Por FATOS & NOTÍCIAS | Edição do dia 26/06/2020 - Matéria atualizada em 25/06/2020 às 23h05

A confusão gerada por desencontros de informações sobre mortes pelo Covid – 19 na última terça-feira, fez crer que, naquela data, que não havia sido registrado nenhum óbito, o que surpreendeu a todos. Desfeito o engano quando a população apostava num freio da pandemia, Alagoas já se aproximava de mil mortes.

Até o final de semana o governo irá avaliar novamente se houve expansão ou não do coronavírus, para poder então flexibilizar ou não os diversos setores da economia. Ao se aproximar de um número emblemático, é difícil de se prever a abertura do comércio e da indústria a partir da próxima semana.

Afinal de contas, o estado de Alagoas vem liderando proporcionalmente com relação aos outros estados do Brasil, o número de mortes e de infectados pela Covid-19.


DÚVIDA

Entre integrantes do Grupo de Trabalho do governo, o sentimento é de que o decreto emergencial seja novamente estendido até quando, comprovadamente, a linha de infecção do coronavírus dê sinais de desaceleração. Ao se aproximar de mil mortes, que fatalmente deverá atingir até o final de semana, acham infectologistas de que é melhor prevenir do que remediar.


GRAVIDADE

Um levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE mostra que mais de 130 mil trabalhadores ficaram sem remuneração durante o mês de maio. E a perspectiva, segundo especialistas no assunto, é que a tendência é o número aumentar nos próximos dias.


REAÇÃO

Protestos na orla marítima de Maceió para que o governo reabra já os setores da economia, já se tornaram freqüentes entre empresários e trabalhadores. Buzinaços, palavras de ordem e muitas reclamações são a tônica de carreatas na Pajuçara, Ponta Verde e Jatiúca.


SUFOCO

Com as empresas quebrando e trabalhadores sendo demitidos, o governo de Alagoas se vê pressionado pela reabertura dos serviços, principalmente de bares e restaurantes na orla de Maceió. As autoridades sanitárias, entretanto são reticentes quanto à reabertura indiscriminada do comércio, já que não existe, até agora, sinalização de que a curva de infecção está diminuindo.


PEQUENA VÍTIMA

O novo Boletim Epidemiológico, que mostra a situação da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) em Alagoas, apontou que mais uma criança faleceu com diagnóstico do vírus. Segundo os dados divulgados nesta quinta-feira (25), a vítima foi uma menina de 4 anos, que residia no município de Maragogi, no interior do Estado, e não apresentava nenhuma comorbidades - doença pré-existente.


LAGOSTAS MORTAS

A prefeitura de Marechal Deodoro acionou, nesta quinta-feira (25), o Instituto do Meio Ambiente de Alagoas (IMA-AL) para apurar a veracidade e, se comprovada, a causa do aparecimento de várias lagostas mortas na Praia do Saco, no Litoral Sul. Imagens publicadas nas redes sociais mostram os crustáceos mortos embaixo de recifes de corais.


TRANSPORTE CLANDESTINO

A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) autuou e removeu cinco veículos de transporte clandestino de circulação nesta quarta-feira (24). As remoções ocorreram nos bairros do Pontal, Trapiche da Barra, Centro e Tabuleiro do Martins, na capital alagoana. Fazer transporte clandestino é infração considerada "gravíssima", segundo o Código de Trânsito Brasileiro (CTB).


» O Brasil teve 1.141 novas mortes registradas em função da covid-19 registrados nas últimas 24 horas, de acordo com atualização do Ministério da Saúde divulgada ontem. Com esses acréscimos às estatísticas, o país chegou a 54.971 óbitos em função da pandemia do novo coronavírus.

» A taxa de letalidade (número de mortes pelo total de casos) ficou em 4,5%. A mortalidade (óbitos por 100.000 habitantes) foi de 26,2. Já a incidência (casos confirmados por 100.000 habitantes) ficou em 584,4.

»O Brasil ultrapassou os Estados Unidos e se tornou o país com maior número de pessoas recuperadas de covid-19 no mundo, informa a Universidade Johns Hopkins, que tem monitorado a pandemia do novo coronavírus .

Mais matérias
desta edição