app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Fatos & Notícias

Confira os destaques da política alagoana #FN27062020

.

Por FATOS & NOTÍCIAS | Edição do dia 27/06/2020 - Matéria atualizada em 26/06/2020 às 21h43

Ao priorizar a rodovia que liga Arapiraca a Delmiro Gouveia, o governo de Alagoas desacelera o projeto de duplicação de Maceió a Maragogi, considerada uma obra fundamental para o turismo na região norte do Estado. Paralelamente, abandona obras de saneamento em todo o Estado, que contabiliza a triste estatística de que cerca de 80% da população não tem alcance à água tratada, com qualidade.

A falta de saneamento básico talvez seja um dos principais fatores para que as mortes e infetados pelo coronavírus viessem a crescer em Alagoas.

Sem água nem para lavar às mãos, como o Estado almeja controlar a pandemia que já alcança mais de mil mortes e deixa Alagoas na condição com relação aos outros estados do Brasil?


SEM PRIORIDADE

Enquanto os alagoanos padecem com obras inacabadas e outras que somente beneficiam grandes empreiteiras, o governo deixa grande parte da população abandonada e entregue à própria sorte.


OBRAS ELEITOREIRAS

A construção da rodovia que deverá ligar Arapiraca a Delmiro ocorre exatamente em um momento que o bom senso indica que seria mais lógico e mais prudente investir em saneamento básico. Mas, ao contrário de tudo isso, caminha a passos largos para a privatização da Casal que, boa ou ruim ainda garante, mesmo com deficiência, o abastecimento d´água para boa parte da população alagoana.


OPÇÃO DISCUTIDA

Em vários segmentos da sociedade, inclusive no meio político, a pergunta é: por que o Estado não agiliza a duplicação da estrada entre Maceió e Maragogi como prometido, preparando a região para produzir mais emprego e renda? Anunciar a duplicação neste momento delicado da estrada Arapiraca-Delmiro cheira a obra eleitoral visando às próximas eleições e prevendo o cenário político de 2022.


OBRAS ATRASADAS

Como tem feito até agora, as obras anunciadas e iniciadas pelo governo de Alagoas só Deus sabe quando serão entregues. Hospitais pelo interior, estradas e saneamento que ninguém nunca vê, ficam só na promessa, embora empreiteiras façam a festa na construção de pequenos trechos de rodovias e de Cisps pelo Estado afora.


VIGILANTE

Nesta época de pandemia, em que preços de produtos foram para as alturas, principalmente de medicamentos, o Superior Tribunal de Justiça colocou o pé no freio para muitas empresas que só visam ao lucro. Reajuste de medicamentos, agora, só no próximo ano, segundo decisão tomada pelo ministro Herman Benjamim, do STJ.


CONTRASSENSO

A fiscalização do Estado anda procurando quem está fazendo festinha nas residências, mas não faz o mesmo em mercados e feiras livres, onde grande parte da população anda sem máscaras e se aglomera permanentemente.


EXEMPLO

Como tem se espelhado em outros estados, Alagoas também está no radar de Porto Alegre, Florianópolis e Curitiba, que recuaram na flexibilização pelo aumento de casos da Covid-19 nos últimos dias. Mesmo com a popularidade em queda, o governador não está propenso a arriscar medidas que venham a complicar ainda mais as vidas das pessoas


MAIS TEMPO

Praticamente definidas, as eleições deste ano deverão ser realizadas em 15 e 29 de novembro, primeiro e segundo turnos, com os candidatos tendo mais um mês de campanha e 10 dias no rádio e na televisão. Pelo menos foi o que decidiu o Senado.


» Estados e municípios que pensaram em reduzir salários dos seus servidores em face da pandemia, podem ir tirando o cavalinho da chuva. O STF decidiu no meio da semana que é proibido a redução de salários de servidores para adequar às despesas.

» Alagoas está chegando perto das mil mortes pelo coronavírus e estuda abrir ou não as atividades dos setores econômicos na próxima semana.

» A sanção de projeto de autoria do senador Fernando Collor pelo presidente da República que combate o desperdício e facilita a doação de alimentos, algo em torno de 12 milhões de toneladas por ano, representa um avanço social inestimável para as famílias de baixa e até mesmo sem renda em todos os estados do Brasil

Mais matérias
desta edição