app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Fatos & Notícias

Confira os destaques da política alagoana #FN11072020

.

Por FATOS & NOTÍCIAS | Edição do dia 11/07/2020 - Matéria atualizada em 10/07/2020 às 22h09

Passados os momentos mais críticos da pandemia provocados pela Covid-19, os olhos se voltam agora para a situação desesperadora dos moradores do bairro do Pinheiro e adjacências atingidos duramente pelos efeitos geológicos ocasionados pelas perfurações no solo feitas pela Braskem.

O bairro, um dos mais tradicionais e prósperos da parte alta da cidade, está mergulhado no abandono, com aparência de terra arrasada como se ali tivesse passado um furacão. A maioria de sua população está sem suas casas, passando extremas dificuldades, entregues à própria sorte e sem maiores perspectivas de vida. Basta! Esta população merece respeito.


CHEGA!

A população, penalizada com a indiferença dos responsáveis pela tragédia que até agora só tomaram medidas paliativas que nem de longe compensam o que perderam, precisam, sim, continuar a viver com a cabeça erguida. É hora de essas autoridades acordarem e tomarem providencias duras contra quem praticou este vexame, antes que seja tarde demais.


BAIRRO FANTASMA

Quem conhecia o o Pinheiro e o Mutante antes ficará estarrecido se circular por lá. Uma região desabitada, fantasma, sem o mínimo de segurança para quem alimenta ainda a esperança de que um dia tudo isso seja, apenas, uma má lembrança.


HORA POLÍTICA

As autoridades envolvidas em todo esse processo não devem permitir que o Pinheiro se torne moeda de troca nessa campanha política que se avizinha. Que os candidatos tenham pena dos infortunados e não façam de uma tragédia um palanque eleitoral.


DESESPERO

Quem conversa com moradores que se viram obrigados a abandonar seus lares conquistados com muita luta, dificuldades e muito suor, sabe perfeitamente o que eles estão passando. Não se pode nem se deve protelar mais providências concretas para restabelecer o que todos eles têm direito. Basta de demagogia barata e mãos à obra.


INCERTEZA

Nessa tragédia paralela à pandemia do coronavírus, os habitantes do Pinheiro perderam o que de mais importante e precioso existe na vida de um ser humano, as esperanças. Destroçados emocionalmente e sem rumo, mendigam providências veem com muita preocupação a Petrobras anunciar sua disposição de vender as ações da Braskem. Se a situação já era preocupante, agora piorou ainda mais, pela incerteza do que possa vir a acontecer.


RELOCAÇÃO

Com suas atividades desativadas, o governo se preocupa com a iminente saída da Braskem de Alagoas. Por que, então, ela não poderia ser relocada para uma região que não oferecesse risco à região e à sua população? A disposição para isso se tornar realidade seria uma ação eminentemente política, o que evitaria a perda de emprego e renda e de impostos que seriam convertidos em ações e obras públicas.


AGORA, VAI

Finalmente o governo do Estado vai reverter para obras sociais o fundo milionário do Fecoep, que chega à bagatela de R$ 84 milhões. Antes usado para construção de Centros Integrados de Segurança Pública e estradas, a grana agora será controlada pela Justiça, que vai dizer onde ela será aplicada.


NA MARRA

Com o governo de Alagoas sem se pronunciar sobre os recursos do Fecoep, mesmo nesta pandemia e com milhares de famílias precisando de ajuda, a Justiça teve que intervir. Uma lição para administradores que não se importam com o sofrimento de quem vive abaixo da linha da pobreza.


» Mesmo com a liberação de recursos federais, o Estado ainda não deu o ar da graça na contrapartida para pagamento dos produtores de leite.

» Enquanto isso, os produtores estão com a corda no pescoço e resistem para não suspender o fornecimento para milhares de famílias

» A pandemia diminuiu o ritmo, mas ninguém ainda sabe quando as atividades produtivas voltarão a todo o vapor.

» O campeonato alagoano de futebol deve recomeçar nos próximos dias de portões fechados, mas ninguém disse quem vai pagar a conta dos prejuízos. » O MP ajuizou uma ação cívil pública contra o município de Major Izidoro para que sejam admitidos os aprovados em um concurso realizado em 2018.

Mais matérias
desta edição