app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Fatos & Notícias

Confira os destaques da política alagoana #FN31032021

.

Por Cláudio Humberto | Edição do dia 31/03/2021 - Matéria atualizada em 30/03/2021 às 22h59

A falta de colaboração de boa parte da população nos cuidados para evitar a proliferação do coronavírus talvez seja o maior problema que os médicos sanitaristas têm enfrentado nos últimos dias. Por isso, a expectativa era de que o governo Estado enducecesse as medidas de distanciamento social controlado no dia de ontem. Mas isso acabou não acontecendo. O governador Renan Filho manteve tudo como estava, na fase vermelha, por mais 14 dias, embora tenha admitido que na próxima segunda-feira avaliará a situação novamente.

Com o avanço da pandemia e a escassez de leitos e UTI’s na capital e no interior, as autoridades vinham sendo pressionadas a endurecer as normas do decreto, de forma que pudesse, pelo menos neste feriadão da Semana Santa, conter o avanço da doença.


Contrassenso

Embora boa parte da população siga as regas de usar máscaras, lavar bem as mãos e manter o distanciamento social, outras camadas da sociedade contribuem exatamente para fazer o contrário. Multas e abordagens policiais depois da aprovação pela Assembleia Legislativa do projeto de lei oriundo do executivo são algumas medidas que devem ser tomadas imediatamente a depender da decisão do governo.


Endurecimento

Sem aumentar as restrições para não prejudicar ainda mais o setor produtivo alagoano, principalmente bares, restaurantes e hotéis, o governo faz um apelo para a população para manter o distanciamento social.


Fique em casa

A maior aposta do governo é para que todos, se puderem, fiquem em casa e, consequentemente, evitem aglomerações, mesmo entre familiares. O resultado da participação da população será avaliado depois do feriadão.


Contrariando estatísticas

Mesmo que o número de mortes passe de dois dígitos diariamente, conforme os próprios dados da Secretaria de Saúde, o governo afirma que os óbitos estão se estabilizando e acredita que em mais quinze dias o decreto de restrições, que atinge principalmente o setor produtivo, será novamente avaliado pelos epidemiologistas.


Promessa

O governo também citou algumas providências a serem tomadas e afirmou que está em tratativas para garantir mais vacinas nos próximos dias, o que deve acontecer com novas remessas feitas pelo Ministério da Saúde.


Revisão

Pelo menos até o domingo, os bares e restaurantes estarão fechados, mas o governo prometeu que logo depois da Semana Santa voltará a avaliar a situação da abertura parcial desses segmentos.


Derrubada de vetos

Com 21 deputados presentes na sessão de ontem, o plenário da Assembleia Legislativa discutiu e votou 13 matérias, com destaque para a derrubada de dois vetos governamentais. O primeiro refere-se ao projeto de lei nº 402/2020, de autoria do Poder Executivo, que estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2021. Neste caso, os artigos que tiveram seus vetos derrubados foram os de número 15, 16, 76, 77 e 78.


Logística reversa

Na sequência, os deputados derrubaram o veto total ao projeto de lei nº 99/2019, de autoria do deputado Davi Maia (DEM), que dispõe sobre a obrigatoriedade de realização da logística reversa pelos produtores e comerciantes de medicamentos vazios ou vencidos no Estado de Alagoas.


Atuação na pandemia

- O deputado Davi Maia (DEM) tem destacado a atuação do prefeito JHC na pandemia de coronavírus em Maceió. Cits como exemplo o fato a capital alagoana ter superado a média de vacinação do Estado e do Brasil.


Atuação na pandemia 2

“Enquanto o Estado de Alagoas vacinou apenas 4,6% da sua população, e o Brasil 5,8%, Maceió já vacinou 7,2%. O que é um número muito pequeno, mas quando as vacinas chegarem vamos vacinar muito mais”, afirma o parlamentar, acrescentando que todos os dias a Prefeitura abre um novo posto de vacinação. “O cidadão chega, não enfrenta fila e é vacinado”, prosseguiu.


Atuação na pandemia 3

“O prefeito tem demonstrado ao Brasil uma nova maneira de fazer gestão e a maior prova foi a derrubada do veto do Fundef no final de semana passada”, afirma Maia, dizendo que o pagamento dos precatórios aos professores irá favorecer a economia neste momento pandemia.

Mais matérias
desta edição