app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Fatos & Notícias

Confira os destaques da política alagoana #FN22052021

.

Por FATOS & NOTÍCIAS | Edição do dia 22/05/2021 - Matéria atualizada em 22/05/2021 às 04h00

A Secretaria de Estado da Fazenda faz contas, diz que alterou a metodologia para se chegar ao preço médio dos combustíveis, mas não esclarece definitivamente nem convence sobre a cobrança de 29% acrescido de mais 15 centavos em cima dos produtos, que fazem a gasolina atingir patamares nunca vistos até hoje.

Estatisticamente, mesmo dissimulando o reajuste cruel, o preço da gasolina em Alagoas é simplesmente um das mais altos do Brasil, ao contrário de estados com maior poder econômico como, por exemplo, São Paulo e Santa Catarina e até mesmo nossos vizinhos Sergipe e Pernambuco, que adotam uma política de atender o quanto pode os penalizados consumidores.

Que o governo de Alagoas se dê conta de que uma tributação justa, sem extremos, é a melhor forma de se trilhar o caminho do desenvolvimento


O POBRE SOFRE

O governo do Estado decidiu asfaltar 96 cidades alagoanas num projeto eleitoreiro que ele criou, enquanto a área social fica a ver navios. O projeto do governo é gastar recursos públicos em obras físicas e encher os bolsos das empreiteiras, ao tempo em que não dá assistência à população que mais precisa com obras sociais.


EXAGERO

Achando pouco o que já tem em caixa pra torrar com obras eleitoreiras no interior do Estado, o governo ainda quer tomar novo empréstimo, desta vez de US$ 150 milhões – o que equivale mais ou menos à R$ 800 milhões – junto a instituições financeiras internacionais


ENDIVIDAMENTO

Se não gastou os R$ 5,5 bilhões que tem em caixa, para que endividar ainda mais o estado de Alagoas? Como o pedido é oriundo do ano de 2019, a oposição acha desnecessária a aprovação desses recursos, que por certo deverão ser rejeitados quando a matéria for apreciada pelo plenário da Assembleia Legislativa.


PRENÚNCIO MACABRO

Com bilhões em caixa, o Estado ainda quer mais US$ 150 milhões ou R$ 850 milhões mais ou menos, para atolar de dívida o próximo governo, se levar em consideração que terá um ano de carência a partir da assinatura do contrato.


ESQUECIDO

Faz meses que não se ouve falar mais na duplicação da Al-101 Norte, projeto anunciado com pompa pelo governo do Estado. Sem sequer passar do bairro de Jacarecica, onde o trânsito na região inferniza os moradores e os motoristas, a obra começou há cinco anos e parece empacada pela falta de disposição política do governo.


LEGADO

Pelos empréstimos adquiridos ao longo de sua gestão, Renan Filho deixará um buraco dificilmente de tapar pelos próximos governos, sem, entretanto, sair da incômoda situação como o segundo mais pobre e atrasado da Federação.


ARTICULAÇÃO

Com o pontapé inicial do presidente Jair Bolsonaro quando esteve em Maceió, aos poucos as forças de centro-direita começam a se articular com vistas às eleições do próximo ano. O presidente deixou claro sua opção pelos aliados, incluindo aí o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, e o senador Fernando Collor.


PEGA NA MENTIRA

Fazia tempo que Renan Filho não passava uma situação tão vexatória na Assembleia Legislativa. Falando pelos cotovelos e informando à população ações que nunca aconteceram, no caso da vacinação para grupos prioritários, ele terminou a semana sendo rotulado pelo deputado Cabo Bebeto de mentiroso.


» Pagando R$ 50 milhões a menos por mês de juros da dívida pública, assim como outros estados, o governo de Alagoas ignora obras sociais e investe em obras físicas onde existem outras prioridades.

» Com cinco anos de governo, o Estado até agora não moveu uma palha para deixar em pleno funcionamento o Aqueduto do Catolé-Cardoso, que abastece grande parte da cidade de Maceió.

» Com vazamentos históricos e desperdício permanente de água potável, o caso terminará figurando no livro dos recordes dada a negligência do governo.

» Mesmo com os cofres recheados e torrando dinheiro em asfalto, Renan Filho deixará para o sucessor um legado de problemas e alta conta para pagar.

Mais matérias
desta edição