app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5691
Integração

Confira os destaques do interior alagoano #I15062021

.

Por MOZART LUNA | Edição do dia 15/06/2021 - Matéria atualizada em 15/06/2021 às 04h00

VACINAÇÃO: PENEDO É DESTAQUE NO BRASIL

A ação de vacinação contra a Covid-19 no Brasil vacinando todos a abaixo dos 60 anos sem comorbidades, isto em 53% municípios. Desses, 71% estão vacinando pessoas acima de 55 anos, 19% entre 50 e 55; e 9% já começaram a vacinar abaixo dessa faixa etária e em Alagoas apenas o município de Penedo está dentro desse percentual e vem liderando os recordes na campanha de vacinação. Os dados constam da pesquisa semanal realizada pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) entre os dias 7 e 10 de junho. A 12ª edição do levantamento ouviu 3.129 gestores municiPais. O levantamento também mostra que 47% dos municípios iniciaram a vacinação de gestantes e puérperas sem comorbidades. A vacina mais utilizada pelos gestores para esse público é a CoronaVac, apontada por 50,5% dos respondentes. A Pfizer foi apontada por 42,1% dos respondentes. Esse imunizante, segundo o levantamento, foi distribuído até o momento para 51% dos municípios. A vacina da Pfizer começou a ser distribuída após alterações na forma de armazenamento da vacina, que passou a poder ficar até 31 dias em refrigeração comum. Na edição passada da pesquisa, 30,6% dos respondentes afirmaram já ter recebido a vacina. (FONTE CNM).


PENEDO REFERÊNCIA

Em Penedo, a vacinação já atinge a população de 47 anos, que começou semana passada, sendo o primeiro município a iniciar a vacinação desta faixa etária e agora com as primeiras doses da vacina Pfizer em pessoas com 47 anos ou mais. O novo imunizante é produzida em conjunto entre as empresas Pfizer e BioNTech.


PREOCUPAÇÃO

Um dado que reforça a preocupação dos gestores em relação a uma terceira onda no País é o aumento de casos confirmados de Covid-19. Nesta semana, 51,4% apontaram crescimento de pessoas infectadas. Em 28,4% dos municípios, o cenário se manteve estável. Já 15,3% apontaram queda. Em relação ao número de óbitos pela doença, 26,6% apontaram aumento, 48% estabilidade e 20,2% queda nesta semana.


RESTRIÇÃO MANTIDA

As medidas de restrição de circulação ou atividades econômicas estão mantidas em 74,2% dos municípios pesquisados. Na 11ª edição da pesquisa, que ouviu 2.418 gestores entre 31 de maio e 2 de junho, 62,7% dos municípios pesquisados apontaram que o mês de maio teve aumento do número de casos de pessoas infectadas por em relação a abril.


FALTA KIT INTUBAÇÃO

Já 19,1% dos gestores apontaram que esses números se mantiveram no mesmo patamar e 17,5% afirmaram ter ocorrido diminuição no número de casos. Outro dado preocupante é o número de municípios que apontam para o risco de enfrentarem a falta do chamado “kit intubação”.


FALTA KIT INTUBAÇÃO 2

Nesta semana, 743 municípios (23,7%) alertaram para esse risco. Nas edições anteriores, esses percentuais foram de 25,4%, 23,2% e 16,3%. Ao serem analisados os dados da pesquisa desta semana sobre a falta desses medicamentos por porte dos municípios, pode-se identificar que esse risco atinge especialmente os médios municípios.


FALTA VACINAS

A falta de vacinas contra a Covid-19 manteve a curva de queda observada nas edições anteriores das pesquisas da CNM. 14,8% (462) dos municípios responderam que ficaram sem imunizante. Desse total, 304 relataram terem ficado sem vacinas para aplicar a primeira dose e 257 para a segunda. A Coronavac ainda é a vacina com maior necessidade para completar o esquema vacinal da população, relatada por 75,7% dos gestores que apontaram a falta.


RETOMADA DAS AULAS

A retomada das aulas presenciais é uma preocupação neste período de aumento dos casos, principalmente com o surgimento dos da nova cepa indiana, que no Brasil parece ainda não ter se disseminado. O perigo está principalmente com o aumento do número de jovens infectados porque ainda não foram vacinados.


RETOMADA DAS AULAS 2

O início da vacinação dos profissionais de educação foi apontada por cerca de 79% dos respondentes, seguida pela aquisição de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), com 69%; adaptação da estrutura da escola, com 62%; e aquisição de testes de Covid-19, com 41%. Já 9% dos gestores apontaram que ainda não adotaram medidas para a retomada das aulas presenciais.

Mais matérias
desta edição