app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5717
Internacional

A��o terrorista pode custar US$ 95 bi a Nova Iorque

Nova Iorque – O custo econômico sofrido pela cidade de Nova Iorque devido aos ataques de 11 de setembro irá variar de US$ 83 bilhões a US$ 95 bilhões, dependendo, em parte, do número de empregos deslocados para fora da cidade, concluiu um novo relatório d

Por | Edição do dia 11/09/2002 - Matéria atualizada em 11/09/2002 às 00h00

Nova Iorque – O custo econômico sofrido pela cidade de Nova Iorque devido aos ataques de 11 de setembro irá variar de US$ 83 bilhões a US$ 95 bilhões, dependendo, em parte, do número de empregos deslocados para fora da cidade, concluiu um novo relatório divulgado ontem sobre o atentado  que abalou os norte-americanos. O controlador de despesas da cidade, William Thompson, também estimou em seu novo relatório que custará US$ 21,8 bilhões para substituir os prédios, a infra-estrutura e o que ele chamou de perdas de “bens dos locatários” como resultado dos ataques que derrubaram o World Trade Center. Cerca de 1,2 milhão de metros quadrados de espaço de escritórios foram destruídos - uma quantia similar a todo o espaço de escritórios nos distritos comerciais de Miami ou de Atlanta. Com relação a perdas de impostos, a cidade de Nova Iorque perdeu quase US$ 3 bilhões, e mais quase US$ 500 milhões em despesas não-reembolsadas, afirmou Thompson. A cidade de Nova Iorque agora tem 83 mil empregos a menos que antes de 11/9 e Thompson estimou que 63 mil empregos que iriam ser criados quando a cidade se recuperasse de um declínio econômico também foram perdidos. Erros graves Outro relatório divulgado ontem analisando a resposta da polícia e dos bombeiros de Nova Iorque aos ataques revelou que foram cometidos erros graves no trabalho de resgate. De acordo com a análise feita pela consultoria McKinsey, a falha mais grave cometida foi o corpo de bombeiros ter enviado ao World Trade Center os oficiais mais graduados da corporação. Com o desabamento das torres gêmeas, o departamento perdeu a maior parte de seu comando.

Mais matérias
desta edição