app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5709
Internacional

Talib� dos EUA � condenado em Alexandria a 20 anos de pris�o

Washington – O talibã norte-americano John Walker Lindh, 21, foi condenado ontem a vinte anos de prisão, no âmbito de um acordo entre os advogados que o obriga a cooperar totalmente com os investigadores. A sentença foi decidida pelo juiz do tribunal de A

Por | Edição do dia 05/10/2002 - Matéria atualizada em 05/10/2002 às 00h00

Washington – O talibã norte-americano John Walker Lindh, 21, foi condenado ontem a vinte anos de prisão, no âmbito de um acordo entre os advogados que o obriga a cooperar totalmente com os investigadores. A sentença foi decidida pelo juiz do tribunal de Alexandria (Virginia), próximo a Washington, T.S Ellis, condenará Lindh. O acordo obtido em meados de julho entre os advogados de defesa e os promotores permitiram a Walker evitar a condenação à prisão perpétua. Em troca da redução da condenação, Walker Lindh teve que admitir sua culpabilidade, renunciar ao recurso de apelação e aceitar a cooperação com os investigadores. O acordo foi qualificado pelo promotor geral, John Ashcroft, como “uma importante vitória na guerra contra o terrorismo”. Apesar de retiradas nove das dez acusações formuladas contra ele, Lindh admitiu que prestou “serviços aos talibãs” e violou a lei norte-americana “voluntária e deliberadamente”, armando-se com um fuzil de assalto Kalashnikov e duas granadas, quando combatia junto com os talibãs. Lindh foi capturado no Afeganistão no fim de novembro de 2001, perto de Mazar-i-Sharif (norte do país), na campanha militar lançada por Washington após os atentados de 11 de setembro. Walker Lindh disse ter recusado uma oferta de participar dos atentados de 11 de setembro e que acreditava que 50 pessoas tinham sido enviadas em missões contra os EUA e Israel. Os interrogatórios secretos onde Walker Lindh faz essas revelações, segundo a CNN, teriam sido feitos por soldados das Tropas Especiais americanas em 1º de dezembro de 2001 e por agentes do FBI no Afeganistão nos dias 9 e 10 do mesmo mês. Além de Walker Lindh, as autoridades norte-americanas acusaram mais cinco suspeitos, quatro do próprio país, de conspirar por uma guerra contra os Estados Unidos junto com a rede terrorista Al Qaeda, liderada por Osama bin Laden, disse ontem o procurador-geral John Ascroft.

Mais matérias
desta edição