app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5749
Internacional

Atentado suicida mata mulher e fere 16 em Tel Aviv

Tel Aviv – Um atentado suicida nos subúrbios de Tel Aviv ocorrido ontem matou uma mulher israelense e deixou ao menos 16 pessoas feridas. O autor do atentado também morreu. O suicida usava um cinturão com explosivos, que foi detonado nas proximidades

Por | Edição do dia 11/10/2002 - Matéria atualizada em 11/10/2002 às 00h00

Tel Aviv – Um atentado suicida nos subúrbios de Tel Aviv ocorrido ontem matou uma mulher israelense e deixou ao menos 16 pessoas feridas. O autor do atentado também morreu. O suicida usava um cinturão com explosivos, que foi detonado nas proximidades de um terminal de ônibus freqüentado pelos estudantes da Universidade Bar Ilan. A polícia de Tel Aviv disse à rádio estatal que o terrorista havia subido no ônibus, mas o motorista e os passageiros que o consideraram suspeito o empurraram para fora do veículo. “O motorista fechou as portas do ônibus e, quando o terrorista estava na calçada, nesse momento ele acionou os explosivos escondidos no cinturão”, revelou a polícia. A explosão deixou pedaços de corpos espalhados por toda a área, alguns sobre os galhos de uma árvore próxima. “O motorista não sabia que era um suicida. Ele fechou a porta e o terrorista caiu”, disse o comandante da polícia de Tel Aviv, Yossi Sedbon. “Ele abriu a porta para acudir o suicida como se fosse qualquer outro passageiro, junto com outro homem, e então notou que ele usava um cinturão explosivo”. Ninguém assumiu a autoria do atentado de Tel Aviv, embora o Hamas tivesse prometido vingança pelas mortes de Gaza. “Esses ataques são uma resposta aos massacres da ocupação contra nossos civis inocentes. A ocupação não pode ficar impune”, disse um dos líderes do Hamas, Ismail Abu Shanab. Este é o primeiro atentado desde o dia 19 de setembro, quando um suicida palestino detonou explosivos, matando quatro pessoas. Na época, como resposta, Israel isolou durante dez dias o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Iasser Arafat, em seu quartel-general em Ramallah.

Mais matérias
desta edição